Cabo Verde registou um aumento de 198.787 ninhos de tartaruga em 2020

23/05/2021 23:11 - Modificado em 23/05/2021 23:11

Cabo Verde contabilizou, em 2020, 198.787 ninhos de tartaruga e registou uma diminuição da taxa de captura para, à volta, de 1,54 por cento (%), disse hoje à Inforpress o director nacional do Ambiente, Alexandre Nevsky.

O director nacional do Ambiente avançou que considera a sensibilização e fiscalização como as “armas” mais poderosas para dar combate à captura e ao consumo da tartaruga.

“Normalmente as legislações servem para combater determinados atos e, nesta matéria, além de penalizar temos é de reforçar a sensibilização e informação junto das pessoas e nas escolas, para que entendam que uma tartaruga viva terá muito mais valor, a longo prazo, do que uma morta”, afirmou, lembrando às pessoas o valor da tartaruga no ecossistema.

Conforme disse, o trabalho de informação e sensibilização, apesar de surtir efeito deve ser reforçado por forma a se garantir que quem esteja a infringir a lei seja apanhado e enquadrado de acordo com a legislação existente sobre a matéria.

Nesta linha de ideias realça o trabalho que a Polícia Nacional tem feito, nesta matéria, apesar de considerar difícil chegar-se ao consumo zero de tartarugas.

“Para alcançarmos este propósito temos de trabalhar com as escolas para que possamos ter uma geração que verá, como pouco natural, consumir carne de tartaruga”, prosseguiu, informando por outro lado, que a fiscalização da espécie é garantida pelas comunidades, pescadores e associações locais.

No caso da fiscalização, explicou que têm sido realizadas saídas ocasionais com a polícia, numa óptica mais preventiva, havendo em algumas praias uma vigilância contínua dos militares.

“A nova legislação, relativamente às campanhas, trouxe-nos uma nova realidade com aumentos de ninhos monitorizados que nos indicam que em 2015 foram identificados 10.725 ninhos em todo o território, em 2018 cerca de 189.196 e em 2020 foram identificados 198.787 ninhos”, disse reforçando a ideia da sensibilização para que a nova geração tenha uma outra mentalidade sobre comer carne de tartaruga.

Segundo Alexandre Nevsky, dados disponíveis mostram que o reforço das campanhas de monitorização das tartarugas nas praias, diminui a taxa de captura que, em 2015, era de 8,25% e em 2020 passou para 1,54%.

Em Cabo Verde, segundo disse, a população de tartarugas marinhas mais predominante é a “Caretta Caretta”, sendo esta espécie a que mais procura no espaço nacional o seu local de desova, embora se contabiliza, também, uma dezena de tartarugas verde.

A desova das tartarugas acontece maioritariamente nas ilhas da Boa Vista, Sal, Maio e os ilhéus, mas 90% da desova no país acontece na ilha da Boa Vista.

O Dia Mundial da Tartaruga assinala-se a 23 de Maio e tem como propósito chamar a atenção para o perigo de extinção das tartarugas e cágados de todo o mundo e aumentar o conhecimento da população sobre estes animais.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.