Covid-19: Sindicato Nacional da Polícia Nacional quer inclusão dos agentes no grupo com prioridade de vacinação

18/05/2021 11:17 - Modificado em 18/05/2021 11:18

O Sindicato Nacional da Polícia (Sinapol) quer os agentes, também no grupo prioritário para vacinação da Covid-19, alertando ao governo que também estão na linha da frente no combate à covid-19.

Em conferência de imprensa, no Mindelo, São Vicente, o presidente do Conselho Fiscal do sindicato pede ao governo que inclua os agentes da Polícia Nacional como prioritários no plano de vacinação em marcha.

Conforme Cirilo Cidário os agentes estiveram e continuam na linha da frente de segurança e expostos ao contágio. “Não há motivo para não terem sido classificados como prioritários”

O representante do sindicado nacional da PN diz não entender, o motivo que os profissionais da PN foram afastados do grupo de profissionais prioritários. “Estávamos para ser comtemplados, até houve um mapa que mostrava que estávamos no terceiro lugar e depois, fomos ultrapassados por outras categorias profissionais” aponta Cirilo Cidário.

Para este sindicalista, o SINAPOL mostra-se expectante com uma tomada de posição pública da Direção Nacional da PSP, bem como do Ministério da Administração Interna, reconhecendo, no entanto, que o processo de vacinação contra a covid-19 não pode chegar a todos ao mesmo tempo e que existem prioridades que devem ser consistentes. E que a PN deveria ser uma delas.

Cirilo Cidário diz que o sindicato da PN considera que se trata de uma luta de todos, e que têm consciência que existem certas categorias que tem estado mais expostos por inerência da profissão que exercem, e neste particular salienta os serviços de saúde, bombeiros, polícias, entre outros que têm dado “tudo de si neste combate”.

Por outro lado, mostra que estes profissionais também correm riscos no seu dia-a-dia, já que, como o mesmo salienta, neste momento a polícia já registou vários casos.

Neste sentido, diz que é desejo de todos os polícias que fossem todos vacinados. “Um agente está sujeito à propagação da doença junto das suas famílias.

Apesar de casos existentes e de todo o dia lidar com os riscos da profissão, diz que não se vislumbra para quando serão contemplados com a vacina, por isso o sindicato alerta o governo de contemplar a classe por três razões. “Por estarem na linha da frente, logo pelo elevado grau de contrair o vírus. Existe na instituição agentes que já ultrapassaram os 50 anos e um número considerável de doentes crónicos na corporação, com efeito são de duplo risco.

Questionado sobre contactos com as autoridades sanitárias neste sentido, bem como o governo que deliberou o mapa de vacinação nacional, Cirilo Cidário, diz que esta é a primeira manifestação pública do sentimento dos agentes.

A vacinação contra a covid-19 em Cabo Verde começou a 19 de março, abrangendo os profissionais de saúde.

Conforme o plano de vacinação, o Ministério da Saúde definiu que a vacinação será realizada por fases, sendo que os primeiros grupos a serem vacinados são os profissionais de saúde que estão na linha da frente do combate à pandemia da covid-19.

Existem outros grupos de pessoas que foram priorizados para vacinação, a seguir aos profissionais de saúde, a saber doentes crónicos (hipertensos e diabéticos), pessoas com mais de 60 anos de idade, profissionais hoteleiros e ligados ao turismo, profissionais dos portos e aeroportos, professores e profissionais de apoio nas escolas, Polícia Nacional, Forças Armadas, e profissionais de Proteção Civil e Bombeiros.

O Governo assumiu a meta de imunizar 70% da população até final do ano.

Cabo Verde recebeu 24.000 doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca em 12 de Março e 5.850 da Pfizer dois dias depois, no âmbito da iniciativa Covax, do plano de vacinação nacional iniciado em 19 de Março, e espera ainda a entrega de mais 80.000 doses.

Elvis Carvalho

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.