Moratórias permitiram a famílias, empresas e municípios deixar de pagar aos bancos 5.071 milhões de escudos de abril até novembro de 2020

23/02/2021 13:47 - Modificado em 23/02/2021 13:47

As moratórias lançadas pelo governo cabo-verdiano, em abril, para mitigar os efeitos económicos da pandemia de COVID-19, levaram famílias, empresas e municípios a deixar de pagar aos bancos 5.071 milhões de escudos até novembro, segundo o Banco de Cabo Verde (BCV).

Em novembro, segundo o banco central, o valor não pago de juros, capital e prestações dos contratos de crédito com os bancos sob o regime das moratórias ascendia a 5.071 milhões de escudos. Além disso, em termos absolutos, o ‘stock’ de crédito à economia.

Este regime de moratória, ou carência no pagamento das prestações do crédito bancário, é aplicado em função da avaliação da situação económico-financeira dos clientes com quebra de rendimentos devido à pandemia, aumentou 3.922 milhões de escudos (35,4 milhões de euros) de janeiro a novembro de 2020.

Esta informação consta do relatório sobre indicadores económicos e financeiros do BCV, de fevereiro, que segundo a agência Lusa, a evolução do ‘stock’ de crédito à economia em 2020 foi “determinada, sobretudo, pelas moratórias” bem como pela utilização das linhas de crédito ao abrigo de apoios no âmbito da COVID-19.

As moratórias ao crédito foram aprovadas no final de março e previam um primeiro período de seis meses, até 30 de setembro, tendo sido prorrogado até 31 de dezembro, devido à “evolução da COVID-19, cujos impactos das medidas com vista à sua mitigação se fazem sentir na dinâmica económica e na situação financeira do país”, admitiu anteriormente o governo.

A medida voltou, entretanto, a ser prorrogada, até final de setembro de 2021, segundo o Governo, face à situação de crise que afeta famílias e empresas cabo-verdianas. O regime de moratória de créditos abrange, além de empresas e famílias, também autarquias, empresários em nome individual, instituições particulares de solidariedade social e associações sem fins lucrativos.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.