Santo Antão: Ribeira-grandenses preocupados com a frequência e a intensidade de abalos sísmicos

8/02/2021 16:19 - Modificado em 8/02/2021 16:19
Foto: João Correia

A intensidade e frequência de abalos sísmicos sentidos nos últimos tempos no concelho da Ribeira Grande, Santo Antão, estão a preocupar os munícipes que pedem a instalação “com urgência” de uma estação sismográfica.

Conforme informações recolhidas pelo NN, o abalo sísmico, desta segunda-feira, ocorreu por volta das 12:50 causando grande apreensão no seio dos munícipes, que solicitam um esclarecimento por parte do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica.

Bernardina Gomes, professora de Geografia e residente em Coculi, disse-nos que na Ribeira Grande não dispõem de uma estação sismográfica para se saber a intensidade e o epicentro dos abalos, o que impossibilita haver opiniões mais técnicas sobre estas ocorrências, que se tornaram mais frequentes nos últimos tempos. 

“É um motivo de muitas preocupações, porque as pessoas já começam a sentir medo e a entrar em pânico. No mês de dezembro estava em casa com os meus filhos e ocorreu um sismo bem forte e estes entraram em pânico. Este último foi de menor intensidade, mas não menos preocupante, revela.

Assim sendo aponta que a preocupação aumenta, pelo facto de Cabo Verde ser um país de origem vulcânica e a ocorrência de sismos aumenta a hipótese da ocorrência de erupções vulcânicas. “Os sismos com frequência e intensidade são indícios de novas erupções vulcânicas” diz.

Nisto, ajuntou que em 2010 ocorreu um sismo caracterizado no grau 5 na escala de Mercalli, que deixou muitas preocupações na população, mas os registados nos últimos tempos trouxeram “muitas preocupações”, sobretudo às pessoas idosas que relatam que no passado os sismos não eram frequentes e nem com grande intensidade.

Uma situação que, revela, só será colmatada com a instalação de uma estação sismográfica, que permitirá fazer a leitura da escala em que ocorreu o sismo. “Em Santo Antão somos desprovidos destes equipamentos. Devem ser instalados o mais rapidamente possível, aliás desde 2010 já deveriam ter este equipamento na ilha” salientando que, a par da ilha do Fogo, as ilhas de Santo Antão e Brava são apontadas como sendo das ilhas perigosas no contexto de vulcanismo.

Bernardina Gomes não deita por terra a hipótese de haver vulcões extintos, isto após a erupção em 1995 de um vulcão em Espanha que esteve mais de 400 anos inativo. “Hoje consideramos que o vulcão está adormecido. Está inativo, mas a qualquer momento pode entrar em atividade. Um cenário que poderá ocorrer em Santo Antão. Por isso é urgente a instalação de uma estação sismográfica na ilha” vinca.

De acordo com a nossa realidade, a nossa fonte realça que recolheu as informações mais pertinentes durante um sismo, e que através de panfletos distribui para os alunos que são orientados em passar as informações aos pais e estes aos vizinhos. 

Através das redes sociais, muitos ribeira-grandenses têm expressado a sua preocupação em torno do novo abalo sísmico ocorrido hoje, apontando que a situação está ficando “cada vez mais séria”, isto depois do sismo ocorrido a 21 de dezembro.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.