Morreu Moacyr Rodrigues: Um gentleman no mussin d’ Soncent

23/12/2020 09:53 - Modificado em 23/12/2020 10:23

Morreu o escritor e filólogo Moacyr Rodrigues. O gentleman, o mussin d’Soncent. Hoje a alma mindelenses  está  mais rica, mais nobre, mais culta, se é verdade que quando o corpo parte a alma fica. E se a alma não morre, Mindelo só perdeu o corpo do eterno Mussin d’Soncente, pois se havia alguém que emanava a alma mindelense  esse  alguém era Moacyr Rodrigues. Nas palavras, nos gestos, nas ações, na obra que fica e sobretudo nas recordações de quem aprendeu com ele a amar Soncent, a valorizar a morna, no tempo da viração da história quando quiseram assassinar a morna. Se há vida além da morte, se há reencontros num outro plano, hoje B’Leza vai agradecer ao menino que viu crescer na Rua do Matadouro Velho tudo o que ele fez pela morna e por Soncent que “nos tud tem na peito” . Hora di bai  é triste, certeza mais certa que temos. Obrigado Moa! See you my dear!

Nascido na cidade do Mindelo, ilha de S. Vicente, Cabo Verde, a 9 de abril de 1933 Moacyr Rodrigues iniciou, em 1957 o curso de Filologia Germânica na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa que continuaria, depois, em Coimbra.

Em 1985 conclui o curso de Línguas e Literaturas Modernas (Inglês/Português) pela Universidade Clássica de Lisboa.

O percurso académico de Moacyr Rodrigues prossegue em 2003 quando obtém um Mestrado em  Relações Interculturais pela Universidade Aberta do Porto, na área de Antropologia Visual e, depois, em 2010 obteve o Mestrado em Ciências Musicais — Etnomusicologia na Universidade Nova de Lisboa e em 2015, doutorou-se na mesma área pela mesma universidade. 

Moacy Rodrigues foi igualmente professor. Em 1999 começou a lecionar no ensino superior em Cabo Verde, onde ensinou disciplinas de Língua e Cultura Cabo-Verdiana e Portuguesa, Antropologia Cultural e História, Cultura e Património, entre outras. É autor de vários livros e alguns artigos publicados em revistas de diversos países.

Moacyr Rodrigues foi um dos maiores defensores da elevação da Morna  à categoria de Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.