Escassez de crianças no extremo Oriente compromete futuro

16/11/2020 16:01 - Modificado em 16/11/2020 16:01
| Comentários fechados em Escassez de crianças no extremo Oriente compromete futuro

Política para reduzir a natalidade pode pôr em causa o desenvolvimento no extremo Oriente.

© Reuters

Houve tempos, na Coreia do Sul, em que cada mulher tinha, em média, seis filhos. Quando, em 1961, Park Chung Hee chegou ao poder, passou a defender-se a ideia de uma “família pequena e próspera”, e assim, se tentava combater a pobreza no país.

As novas políticas, a par de um maior incentivo à educação das mulheres, tiveram efeitos ao longo dos anos. Em 1975, a média de filhos por família passou para 3,5; em 1990 para 1,08 e em 2019 essa valor ficou abaixo de 1.

E este valor é um dos mais baixos no mundo, escreve o La Vanguardia, numa peça onde afirma que faltam crianças no extremo Oriente. Segundo a mesma publicação, é necessária uma média de 2,1 para a população se manter estável, pelo que se prevê que num espaço de cinco anos, a Coreia do Sul será uma população envelhecida.

Esta situação põe em causa a economia do país, uma vez que se prevê que em breve possa não ter mão de obra suficiente, o que poderá causar atrasos na evolução e inovação do país.

Isto, refere Richard Pennington no The Korea Times, torna-se curioso na medida em que a mesma política de redução de natalidade, imposta há várias décadas para acabar com a pobreza, tenha contribuído para o desenvolvimento do país, mas seja agora uma ameaça para o seu desenvolvimento futuro.

Se a situação na Coreia do Sul é considerada preocupante, esta não se fica por aqui. Países vizinhos como o Japão, Singapura, Hong Kong, Taiwan e a China padecem de problemas similares, dado que apresentam taxas de fertilidade muito baixas, um fraco crescimento populacional e um rápido envelhecimento da população.

Em Notícias ao Minuto

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.