MSF exigem que acordos com farmacêuticas para vacinas sejam públicos

11/11/2020 16:53 - Modificado em 11/11/2020 16:53
| Comentários fechados em MSF exigem que acordos com farmacêuticas para vacinas sejam públicos

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) exigiram hoje aos governos que todos os acordos de licenciamento de vacinas para a covid-19 com as empresas farmacêuticas sejam públicos.

© Getty Images

Num documento hoje divulgado, a organização internacional instou os governos a exigirem, com urgência, que as empresas farmacêuticas sejam transparentes em todos os acordos relacionados com as vacinas, bem como os dados e custos dos testes clínicos.

“Os custos de investigação e desenvolvimento destas vacinas foram largamente suportados por milhares de milhões de dólares de dinheiros públicos”, frisou a MSF, em comunicado.

Para a organização de ajuda médica e humanitária, os contribuintes têm o direito de saber o que está nesses acordos e a ter acesso a “informação detalhada e transparente” sobre os custos e os dados dos ensaios clínicos.

“Os termos de um acordo divulgado mostram que não podemos confiar na boa vontade da indústria farmacêutica para fazer a coisa certa, mesmo numa pandemia”, lê-se no comunicado.

Os Médicos Sem Fronteiras referem-se a um acordo firmado entre a farmacêutica AstraZeneca e a Fundação Oswaldo Cruz, do Brasil, cujos termos consideram preocupantes.

A organização defende que estes acordos devem ser públicos, tendo em conta os milhões de fundos públicos envolvidos.

De acordo com os Médicos Sem Fronteiras, a empresa “deu-se ao poder” de declarar o fim da pandemia em julho de 2021 e após essa data poderá “cobrar elevados preços a governos e outros compradores por uma vacina que foi inteiramente financiada pelo público”.

A licença exclusiva original entre a AstraZeneca e a Universidade de Oxford ainda não foi tornada pública: “Os termos determinam, em grande parte, os termos dos acordos subsequentes da empresa com outros fabricantes de vacinas em todo o mundo”.

Os MSF avisaram ainda que pessoas com conhecimento da licença AstraZeneca-Oxford questionaram o compromisso “sem lucro” da empresa, dizendo que a AstraZeneca pode cobrar até 20% a mais do que os custos associados à produção da vacina.

Por Lusa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.