Já estava num saco de cadáveres e ia ser embalsamada quando abriu os olhos

25/08/2020 17:48 - Modificado em 25/08/2020 18:10
| Comentários fechados em Já estava num saco de cadáveres e ia ser embalsamada quando abriu os olhos

Mulher de 20 anos foi dada como morta e só na funerária deram conta que afinal estava viva. Caso aconteceu no domingo em Detroit, nos Estados Unidos.

© D.R.

Uma mulher de 20 anos que foi declarada morta em casa nos subúrbios de Detroit abriu os olhos já na funerária, quando estava prestes a ser embalsamada, disse um advogado que representa a família da jovem.

“Eles já iam começar a drenar o sangue dela”, disse Geoffrey Fieger à WXYZ-TV, estação televisiva local. Fieger, que foi contratado pela família, identificou a mulher como Timesha Beauchamp.

O corpo de bombeiros de Southfield reconheceu estar envolvido numa série de eventos bizarros no domingo, que começou quando uma equipa médica foi chamada a uma casa onde uma mulher de 20 anos não dava sinais de vida.

Os paramédicos tentaram reanimá-la durante 30 minutos e consultaram um médico de emergência. Este médico “declarou que a paciente estava morta com base nas informações médicas fornecidas” no local, disse o departamento.

Depois, o médico legista do condado de Oakland disse que o corpo poderia ser entregue à família sem uma autópsia, ainda de acordo com o corpo de bombeiros.

Foi então que houve uma descoberta surpreendente na casa funerária James H. Cole, em Detroit: a mulher ainda estava viva. “A nossa equipa confirmou que ela estava a respirar” e chamou uma equipa médica de emergência, relatou a agência funerária.

O advogado Fieger aponta que “estavam prestes a embalsamá-la, o que é mais assustador, se ela não tivesse os olhos abertos… A casa funerária abriu o fecho do saco para cadáveres e, literalmente, o que aconteceu foi ver Timesha viva, de olhos abertos”.

Foi levada para o hospital e ainda passa mal. Timesha Beauchamp estava em estado crítico na noite de segunda-feira, disse Brian Taylor, porta-voz do Detroit Medical Center, citado por agências internacionais.

“O meu coração está tão pesado. Alguém declarou que a minha filha estava morta, mas ela não morreu”, disse a mãe de Beauchamp, Erica Lattimore, à WDIV-TV.

As autoridades de Southfield dizem estar a conduzir uma investigação, mas insistem que o corpo de bombeiros e o departamento de polícia seguiram os procedimentos.

Em DN

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.