Jorge Barreto acredita que situação epidemiológica do Sal retardará reabertura das fronteiras

14/08/2020 20:21 - Modificado em 14/08/2020 20:21
Foto: INFORPRESS

O diretor dos Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças, Jorge Barreto, afirma que o aumento de casos na ilha do Sal, o hub aéreo do país, dificultará a reabertura das fronteiras e a retoma do sector turístico.

Estas considerações foram feitas na habitual conferência de imprensa de atualização dos dados da covid-19 no país, assegurando que, de acordo com a situação epidemiológica, provavelmente não será ainda possível a reabertura das fronteiras. “Apelamos que tenhamos uma consciência proactiva para impedir o aumento de casos. Só assim, mediante os critérios internacionais, o país poderá estar apto para receber turistas, senão ficará mais complicado” vincou.

Jorge Barreto explicou que a redução de casos nos últimos tempos na ilha deveu-se a prolemas no laboratório de virologia que impossibilitou a realização dos testes. “Á medida que vamos aumentando a realização de testes no Sal o número de infetados vai aumentando. O Sal e a Praia são as prioridades de combate neste momento” esclareceu.

O número de concelhos afetados pela pandemia é de 15, sendo a cidade da Praia a que mais casos tem, seguida do Sal, Santa Cruz e Santa Catarina de Santiago.

O mesmo deu conta ainda que 534 pessoas estão em quarentena no país.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.