DNS garante que se a situação epidemiológica de São Nicolau se complicar serão tomadas medidas nas ligações inter-ilhas

18/07/2020 00:39 - Modificado em 18/07/2020 00:40

Odirector Nacional da Saúde, Artur Correia, afirmou hoje que as autoridades sanitárias estão “atentas” à evolução da covid-19 na ilha de São Nicolau, que tem neste momento 25 casos ativos e que se a situação epidemiológica se complicar serão tomadas medidas nas ligações inter-ilhas de passageiros.

Artur Correia fez estas declarações ao ser questionado, na conferência de imprensa sobre o ponto de situação da covid-19 no país, se a ilha de São Nicolau que tem registado um aumento significativo de casos, irá se juntar ao Sal e Santiago, ilhas a que são exigidos testes de despiste da covid-19 aos passageiros nas viagens marítimas e aéreas de passageiros, visto que nos últimos dias mais de 60 passageiros da ilha entraram em São Vicente.

“O Governo fez uma resolução das ilhas que poderiam ter testes que são o Sal e Santiago. Por enquanto são essas as únicas ilhas que são exigidas testes anticorpos à saída da ilha. Estamos atentos à situação de São Nicolau e com certeza se a situação se complicar tomaremos as medidas necessárias” respondeu o DNS.

O mesmo assegurou que o Ministério da Saúde está a “gerir riscos” de transmissão face a covid-19 e que as medidas têm sido tomadas para gerir estes riscos. “As medidas são tomadas proporcionais nesses riscos. Não é nenhum descaso” vincou.

Neste momento, o DNS, afirmou que o “grande desafio” das autoridades sanitárias é que se a covid-19 chegar a uma ilha, que seja gerido a epidemia nesta ilha de forma a não provocar o colapso das estruturas de saúde. “Este é o nosso principal foco. Mas é praticamente impossível evitar que o Sars Cov2, chegue as ilhas e queremos aumentar a nossa resiliência” vaticinou. 

De realçar que o país contabiliza um total acumulado de 1.939 casos de Covid-19, sendo 1.005 casos ativos, 913 casos recuperados, 20 óbitos e dois cidadãos estrangeiros evacuados para os seus países de origem.

  1. Jhony Seas

    Não é um momento de polêmica, mas é necessário o pragmatismo, especialmente se você é o principal delegado de saúde não pode sentir que o “grande desafio” das autoridades sanitárias é que, se um covid-19 chegar a uma ilha, que seja gerido uma epidemia nesta ilha de forma a não provocar ou colapso das estruturas de saúde. “Este é o foco principal. Mas é praticamente impossível evitar o Sars Cov2, como as ilhas e queremos aumentar a nossa resiliência “.
    O esforço é garantir que não haja pessoas doentes. Nada, nenguim. Nao è impossivel parar Covid.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.