No 1º trimestre de 2020 a pandemia de Covid-19 provocou o encerramento temporário de 83% das empresas ligadas ao turismo

14/07/2020 15:54 - Modificado em 14/07/2020 15:55
| Comentários fechados em No 1º trimestre de 2020 a pandemia de Covid-19 provocou o encerramento temporário de 83% das empresas ligadas ao turismo

OInstituto Nacional de Estatística – INE-CV sustenta que o sector do turismo foi o mais afetado pela pandemia da COVID-19 em Cabo Verde, durante o primeiro trimestre de 2020, visto que 83% das empresas ligadas ao ramo encerraram de forma temporária.

O INE-CV realça que no total das empresas inquiridas, cerca de 45% alegaram que no primeiro trimestre ocorreram factos relevantes, destacando o surgimento do primeiro caso da COVID19.

Um total de 20% das empresas suspenderam a sua atividade durante o primeiro trimestre de 2020 devido à pandemia da COVID19 e 80% mantiveram-se em atividade, mesmo que, algumas, de forma parcial. 

Cerca de 68% das empresas inquiridas afirmaram que houve redução no seu volume de negócios devido à pandemia da COVID19. A redução ou falta de encomendas/clientes e as restrições impostas foram apontadas como as principais causas do forte impacto no volume de negócios no primeiro trimestre.

Das empresas que afirmaram ter registado aumento do volume de negócios, 40% estimaram que esse acréscimo se situou entre 51 e 75%.

Ainda conforme a mesma fonte, cerca de 48% das empresas entrevistadas asseguraram que a pandemia não teve impacto na redução do número de pessoal ao serviço no primeiro trimestre de 2020, enquanto aproximadamente 43% tiveram opinião contrária.

O INE-CV aponta que 85,0% das empresas responderam que, nesse período de tempo, não tiveram necessidade de recorrer ao crédito bancário para pagar salários ou outras obrigações. Das empresas que tiveram tal necessidade, 37,5% afirmaram ter beneficiado do crédito em condições mais favoráveis comparativamente a pedidos anteriores.

“As empresas, na sua maioria, apontaram como medidas para fazer face à crise, o recurso a benefícios concedidos pelo governo. O mesmo relatório realça, ainda, que cerca de 14% das empresas pretendem diversificar a produção/atividade como forma de combater a crise provocada pela pandemia”.

Entre outros aspetos referidos como perspectivas para os trimestres subsequentes, 72,2% as empresas consideraram muito relevante a implementação do regime de lay-off no país.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.