Governo vai investir 600 milhões de escudos para a aquisição de um “avião para emergências” – PAICV e UCID questionam

9/07/2020 00:22 - Modificado em 9/07/2020 00:22
| Comentários fechados em Governo vai investir 600 milhões de escudos para a aquisição de um “avião para emergências” – PAICV e UCID questionam

O Orçamento Rectificativo (OR) prevê 600 milhões contos para a aquisição de um avião para transferências sanitárias e por isso o governo cabo-verdiano garantiu que já não vai trocar o antigo avião Dornier 228 da Guarda Costeira por dois aviões CASA, negócio que envolvia a portuguesa Sevenair, optando pela sua venda e compra de outro aparelho.

“Era uma opção que estava sobre a mesa que nunca foi concretizada (troca do avião por dois CASA). Houve uma intenção, mas que não foi concretizada”, afirmou o vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, questionado pelos deputados, no arranque da primeira sessão parlamentar de julho, que decorre até sexta-feira e prevê a discussão e votação da proposta de Orçamento Retificativo para 2020.

Isto porque a proposta do Orçamento Retificativo para este ano conta com uma dotação específica de 600 milhões de escudos (5,5 milhões de euros) para a aquisição de um “avião para emergências”, através do Ministério da Defesa (Guarda Costeira), para garantir, nomeadamente, as evacuações médicas entre as ilhas, atualmente feitas por voos comerciais.

Segundo a deputada do PAICV, Janira Hopfer Almada, que questiona, onde estão os aviões CASA adquiridos para o efeito.

“A informação que saiu em 2018 é que o avião Dornier tinha sido trocado por dois aviões CASA, depois de o Estado ter pago com recursos de todos cabo-verdianos 71 mil contos. Se nós entregamos o avião Dornier e pagamos 71 mil contos, pergunto como é que agora não temos os aviões e um outro avião vai ser comprado”, disse Janira Hoppfer Almada, pedindo explicações ao Governo.

Na mesma linha de ideia, o deputado UCID António Monteiro disse entender que se calhar este não é momento propício para a compra do avião, dado à situação de crise que o país atravessa.

A par disso lembrou que o Governo tem um acordo com uma empresa portuguesa e com Transportes Inter-ilhas de Cabo Verde (TICV, ex-Binter) para transporte de doentes.

A Sevenair assinou em julho de 2018 um acordo com o Governo de Cabo Verde para a troca de um avião Dornier 228 da Guarda Costeira cabo-verdiana por dois CASA C212 Aviocar, propriedade deste grupo português de aviação. Os dois aviões militares destinavam-se, entre outras operações da Guarda Costeira, ao transporte de doentes entre as ilhas cabo-verdianas, mas permaneciam, no final de 2019, em processo de operacionalização, com sucessivos atrasos na entrega.

Um negócio que agora não avança, como explicou Olavo Correia: “A opção que nós temos hoje é de vender o Dornier: Porquê? De acordo com os estudos feitos, para repararmos o Dornier, fazermos a manutenção e garantirmos a operacionalidade, precisamos de pelo menos 4,8 milhões de euros. Com esse montante, nós podemos comprar aviões muito mais novos e em melhores condições de operar nos céus de Cabo Verde”.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.