Gémeas unidas pelo crânio separadas após 18 horas de cirurgia

8/07/2020 19:08 - Modificado em 8/07/2020 19:08

Operação decorreu no Hospital Pediátrico Bambino Gesù, na cidade do Vaticano, e durou 18 horas.

© Twitter| Ines San Martin

Ervina e Prefina eram, até o mês passado, gémeas siamesas com uma condição extremamente rara. Após uma cirurgia de 18 horas num hospital na cidade do Vaticano, foram separadas.

As meninas de dois anos estavam unidas pelo crânio antes da complexa operação, que envolveu 30 médicos e enfermeiros, reportam os meios locais.

Este é o primeiro caso de uma operação – cujos gémeos partilham o crânio e a maior parte dos vasos sanguíneos –  bem sucedida.

“É uma das formas mais raras e complexas de fusão”, disse a equipa médica, que se preparava para a intervenção cirúrgica há mais de um ano.

A cirurgia, que ocorreu no dia 5 de junho, correu bem e é esperada uma recuperação completa.

O casos das gémeas foi conhecido pelo presidente do hospital, Mariella Enoc, numa viagem à República Centro Africana em 2018, onde as meninas residem.

Após Mariella Enoc lhes ter oferecido o tratamento, a mãe das crianças aterrou em Itália em setembro de 2018, tendo a primeira fase do tratamento tido início em maio de 2019. 

“Foi um momento emocionante e uma experiência fantástica e irrepetível”, disse o responsável pela especialidade de neurocirurgia do hospital. “Era um objetivo ambicioso e fizemos tudo para alcançá-lo com paixão, otimismo e alegria”, acrescentou.

Em Notícias ao Minuto

  1. mutinha

    Médicos e medicina a trabalhar. Um bem haja para a classe.
    Lá sr papa não pia.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.