Praia com 392 casos de Covid-19: Por que na Boa Vista a cadeia de transmissão foi quebrada e na Praia os casos aumentam todos os dias?

3/06/2020 01:00 - Modificado em 3/06/2020 01:00
| Comentários fechados em Praia com 392 casos de Covid-19: Por que na Boa Vista a cadeia de transmissão foi quebrada e na Praia os casos aumentam todos os dias?

A ilha de Santiago ultrapassou hoje os 400 infetados pelo novo coronavírus. A cidade da Praia, desde o aparecimento do primeiro caso positivo, no passado dia 25 de março, o número de infetados pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) não parou de aumentar atingindo já 392 pessoas.

O primeiro caso registado na capital remonta ao dia 25 de março, um cidadão cabo-verdiano de 43 anos, que esteve de férias na Europa, mais precisamente em França e Portugal, sendo que logo no dia seguinte a sua mulher testou também positivo para o novo coronavírus, tornando-se do primeiro caso local de Covid-19.  Nessa altura tudo indicava  que a situação estava controlada. Hoje sabe -se que, na altura, devido a política do governo de só testar quem apresentasse sintomas, deixou para trás outros casos. Essa política impediu de se conhecer mais cedo as cadeias de transmissão e, assim, iniciar o seu controlo .  

Depois de alguns dias sem novos casos confirmados, o concelho da Praia viria a ter novo caso diagnosticado no dia 11 de abril, sendo um dos filhos do casal de Achada São Filipe, os dois primeiros casos identificados na ilha.

No dia  18 de abril a capital viria a registar mais  dois casos positivos, dois trabalhadores de  ministério da agricultura , que estavam retidos na ilha da Boa Vista à espera do regresso à cidade da Praia. Regressaram numa viagem da primeira equipa técnica que esteve na ilha da Boa Vista e depois de cumprirem 14 dias de quarentena testaram positivo. Com este caso a autoridade sanitária anulou a vantagem que o confinamento natural imposto pelo isolamento das ilhas desde 20 Marco dava ao país para conter a propagação do vírus. Bastava controlar as viagens sanitárias, fazer os testes na origem e não no destino mas, a autoridade sanitária não foi capaz  de fazer isso e não apreendeu com erro que importou o segundo foco do vírus para a cidade da Praia.

Depois deste caso os números não param de aumentar, sendo que nas últimas seis semanas já foram identificados mais 388 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, perfazendo 392. Desse número existe o registo de quatro óbitos a lamentar, o último registado esta terça-feira. O primeiro óbito na capital provocado por covid-19, aconteceu no passado dia 01 de maio, com o falecimento de uma idosa de 92 anos que estava internada no Hospital Agostinho Neto. Desde então já foram contabilizados mais três óbitos, nos dias 16 de maio (um homem de 65 anos de idade), a 26 (uma senhora de 55 anos) e agora uma senhora de 68 anos.

De realçar que esta terça-feira, o Ministério da Saúde anunciou a recuperação de mais 26 doentes que estavam em isolamento, o que faz com que a cidade da Praia tenha neste momento 178 recuperados. Neste momento estão em isolamento na capital 213 pessoas.

Sessenta e nove dias após o aparecimento do primeiro caso, a ilha de Santiago atingiu hoje os 402 infetados pelo novo coronavírus, das quais 392 na cidade da Praia, São Domingos (4), Santa Cruz (4) e Tarrafal (2).  E até agora o cidadão comum espera pelos estudos epidemiológicos que possam explicar como se chegou a essa situação. Que respondam aos medos da população: “quando é que isto vai parar?”. As dúvidas “por que na Boa Vista a cadeia de transmissão foi quebrada e na Praia os casos aumentam todos os dias?”.  Por que em São Vicente, no caso da paciente chinesa, o vírus não infetou ninguém e na  Praia todos os dias surgem novos infetados? Andou mal a autoridade sanitária ao não ter optado, atempadamente, pelos testes em massa para localizar, o mais cedo possível, os focos de infeção? Fica aqui mais um rol de questões para o saco do esquecimento, ou não!  

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.