Invasão a Alcochete. Ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho absolvido

28/05/2020 13:45 - Modificado em 28/05/2020 13:45

O ex-presidente do Sporting, o líder da Juve Leo, Mustafá, e o oficial de ligação aos adeptos, Bruno Jacinto, foram absolvidos. Os restantes arguidos são condenados em diferentes graus de penas.

Foto: Mário Cruz/Lusa

O ex-presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, foi esta quinta-feira absolvido de todos os crimes que o levaram a sentar-se como arguido no Tribunal do Monsanto, em Lisboa, acusado de ser o autor moral do ataque à Academia do Sporting, em Alcochete, que resultou na agressão de vários jogadores e elementos da equipa técnica. Também líder da claque Juve Leo, Nuno Mendes, e o oficial de ligação dos adeptos ao clube, Bruno Jacinto, ouviram do coletivo de juízas, presidido por Sílvia Pires, que saíram do tribunal absolvidos dos crimes.

Já quanto aos restantes 41 arguidos, foram todos condenados por introdução em propriedade privada, mas em graus de culpa diferentes: quatro, que entraram e saíram, terão que pagar uma multa, 17 enfrentam também penas por ofensas à integridade física qualificada e 11 por ofensas à integridade física agravadas, pelo que foram condenados a penas entre os quatro e os cinco anos. No entanto, só nove vão cumprir efetivamente pena de prisão, os restantes como não têm cadastro vão ver as suas penas serem suspensas por igual período, mas alguns com obrigação de fazerem trabalho comunitário e de não entrarem em estádios de futebol.

No final a juíza Sílvia Pires, que ao longo dos últimos seis meses de julgamento pautou sempre por ser muito direta e pragmática deixou alguns recados. “A prova faz-se aqui, não é no café e no restaurante. O Estado tem regras”, avisou, lembrando não haver qualquer prova contra Bruno de Carvalho. Em relação aos arguidos que estiveram em prisão preventiva e que agora viram a pena de prisão aplicada ser suspensa, a juíza lembrou: “a esperança do tribunal foi também que tenham percebido nos treze ou quinze meses de preventiva que o que fizeram foi crime”.

Aos restantes nove que terão que cumprir pena efetiva (Pavlo Antonchuk, Tiago Neves, Domingos Monteiro, Bruno Monteiro, Leandro Almeida, Fernando Mendes, Elton Camará, Nuno Torres e Getúlio Fernandes): “que aproveitem a pena para pensar no que fizeram e venham diferentes”.

Em Observador

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.