Covid-19: Acesso aos testes é um dos maiores desafios em África

28/05/2020 13:23 - Modificado em 28/05/2020 13:23

A diretora regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para África reconheceu hoje que o acesso aos testes à covid-19 é “um dos maiores desafios” que os países da região enfrentam, três meses após a deteção do primeiro caso no continente.

© Lusa

Matshidiso Moeti falava na conferência de imprensa online para balanço da evolução da pandemia em África, durante a qual recordou que na quarta-feira passaram “três meses desde que o primeiro caso foi relatado na África subsaariana, na Nigéria”.

Desde então, disse, “os Governos têm estado a trabalhar dia e noite para conter a propagação deste vírus, com o apoio da OMS e parceiros”.

Neste trabalho, o acesso aos kits de teste e, portanto, à taxa de testados, é neste momento um dos maiores desafios para os países do continente.

Matshidiso Moeti referiu que, “com uma forte liderança nacional e a implementação de medidas sociais e de saúde pública, os casos em África continuam a ser inferiores aos de algumas outras partes do mundo”.

No entanto, advertiu: “Não podemos baixar a guarda e não podemos ser complacentes”.

A dirigente da OMS lembrou que esta organização formou mais de 10.000 profissionais de saúde em África, como parte da descentralização da resposta, em áreas como a prevenção e controlo de infeções, gestão de casos, logística e apoio psicossocial”.

Este encontro virtual entre especialistas e a comunicação social contou com a participação da ministra da Saúde do Uganda, Jane Aceng, que respondeu a algumas questões colocadas sobre a aparente baixa incidência da doença neste país, que não regista mortos.

Jane Aceng explicou que o país tem atravessado vários surtos de doenças graves como o Ébola, o que obrigou à criação de capacidade e de sistemas que facilmente são ativados para responder a questões epidémicas.

Esta capacidade permite hoje ao Uganda “acompanhar o que está a acontecer em todo o país e responder imediatamente”, adiantou.

Em contraste, a África do Sul é o país do continente a registar mais casos de covid-19 (25.937), com a Cidade do Cabo a contabilizar uma em cada dez pessoas infetadas de África.

O ministro da Saúde sul-africano, Zwelini Mkhize, que participou neste evento online, recordou que o país adotou as medidas de contenção que visaram, nomeadamente, impedir a importação de casos.

Contudo, explicou, em algumas regiões continuou a registar-se pequenos surtos, razão que, apesar de a maior parte do país estar estável, faz com que os casos continuem a subir em determinadas zonas.

Reconheceu que a situação na Cidade do Cabo preocupa as autoridades, mas garantiu que estão a ser tomadas medidas de prevenção e que a aposta continua a ser o distanciamento social e o uso de proteção, como máscaras.

Ainda assim, o país está gradualmente a retomar a sua atividade, razão por que Zwelini Mkhize insiste nestas medidas de proteção.

A covid-19 em África já provocou 3.696 mortes, em mais de 124 mil casos de infeção em 54 países.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 355 mil mortos e infetou mais de 5,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Por Lusa

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.