Quase 333 mil mortos e mais de cinco milhões de infetados em todo mundo

22/05/2020 11:45 - Modificado em 22/05/2020 11:45
| Comentários fechados em Quase 333 mil mortos e mais de cinco milhões de infetados em todo mundo

A pandemia do novo coronavírus já matou pelo menos 332.870 pessoas e infetou mais de 5,1 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 11:00 hoje, baseado em dados oficiais.

© Reuters

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa, já morreram pelo menos 332.870 pessoas e há mais de 5.109.290 infetados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

A AFP alerta que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que um grande número de países está a testar apenas os casos que requerem tratamento hospitalar. Entre esses casos, pelo menos 1.913.300 foram considerados curados.

Os Estados Unidos, que registaram a primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de mortes e casos, com 94.729 e 1.577.758, respetivamente. Pelo menos 298.418 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Reino Unido, com 36.042 mortes e 250.908 casos, Itália com 32.486 mortes (228.006 casos), França com 28.215 mortes (181.826 casos) e Espanha com 27.940 óbitos (233.037 casos).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou 82.971 casos (quatro novos entre quinta-feira e hoje), incluindo 4.634 mortes (nenhuma nova) e 78.255 curados.

A Europa totalizou mortes para 1.974.501 casos, Estados Unidos e Canadá 100.979 mortes (1.659.082 casos), América Latina e Caraíbas 35.822 mortes (645.545 casos), Ásia 13.264 mortes (403.480 casos), no Médio Oriente 8.570 mortes (318.246 casos), África 3.095 mortes (100.002 casos) e Oceânia 129 mortes (8.440 casos).

Esta avaliação foi realizada com dados recolhidos pela AFP junto de autoridades de saúde e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por Lusa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.