Artur Correia: “Testes de anticorpos específicos do vírus feito nos familiares da paciente de São Vicente deram positivo”

25/04/2020 20:29 - Modificado em 25/04/2020 20:29

No âmbito da investigação epidemiológica do caso positivo de covid-19 em São Vicente, o Director Nacional da Saúde, garantiu que testes de anticorpos específicos do vírus da covid-19 feito nos familiares, deram positivo, o que demonstra que os familiares estiveram também em contacto com o vírus.

Artur Correia, referiu que isto quer dizer que o vírus circulou entre os familiares e que poderá ter sido esta a origem do vírus em São Vicente. “É uma hipótese grande de ser a verdade. Testes de anticorpos específicos do vírus da covid-19 feitos nos familiares da paciente de São Vicente deram positivo. É um exame que se faz para saber se a pessoa teve contacto com o vírus” situou.

No entanto, Artur Correia assegurou que os familiares que deram resultado positivo não podem ser considerados novos casos, explicando que o teste de anticorpos demonstra que demoram algum tempo no sangue e podem ser detectados à posteriori e revelam se a pessoa esteve ou não em contacto com o vírus. “A nossa investigação, de acordo com os estudos, demonstra que estiveram em contacto com o vírus” garantiu.

Questionado se isto quererá dizer que o vírus esteja a circular em São Vicente, o DNS  descarta esta hipótese, frisando que poderá ser o contrário, pois as hipóteses apontam que o vírus estaria confinado à família. “E toda a investigação que se fez e os testes feitos nos outros contactos não deram positivo. Fizemos dezenas de testes em São Vicente à volta desse caso e até hoje continuam a dar negativo”.

Entretanto, clarificou que existe “uma grande percentagem de pessoas assintomáticos” e que por isso não deverá haver “100% de certezas”, mas reforçou que tudo indica que o vírus estaria confinado à família. “Vamos esperar para os próximos dias”.

Por sua vez, a presidente do Instituto Nacional de Saúde Pública, Maria Lima, explicou que quando a pessoa já tem anticorpos quer dizer que já não tem o vírus. “Quer dizer que esteve com o vírus, mas o organismo conseguiu ultrapassar o vírus e ficou com anticorpos mas não tem vírus. O teste de PCR para detectar o vírus não conseguiu detectar o vírus nos familiares, porque já o teriam eliminado nessa altura. Então fez-se, posteriormente, o teste de detecção de anticorpos e já tinham anticorpos. Isso dá-nos uma certa segurança para afirmar que houve vírus” concluiu.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.