Agente da PN condenado por crime de tortura e ao pagamento de 200 mil escudos de indemnização

8/01/2013 01:14 - Modificado em 8/01/2013 01:14
| Comentários fechados em Agente da PN condenado por crime de tortura e ao pagamento de 200 mil escudos de indemnização

Um agente da Polícia Nacional na ilha de Sal, foi condenado pelo crime de tortura. O Juízo Crime aplicou-lhe uma pena de dois anos e oito meses, mas suspendeu-a por quatro anos na condição do agente policial pagar uma indemnização no valor de 200 mil escudos à vítima num período de dez meses.

 

O caso aconteceu em Setembro de 2011, numa altura em que decorria a XXIIª edição do Festival de Santa Maria. Durante um desacato, a polícia deteve alguns indivíduos que foram conduzidos à Esquadra policial do Sal. Um dos detidos, um jovem de 20 anos teve necessidade de urinar, mas viu o seu pedido para ir à casa de banho negado. O jovem acabou por urinar no posto policial, situação que não agradou a um agente da PN.

 

O policial e o detido envolveram-se numa briga e foram desapartados por pessoas que assistiram à cena. Depois da ocorrência, o agente terá dado murros e golpes de bastão ao detido na região da cabeça e no corpo. O jovem acabou por sofrer traumatismos na face e hematomas nos olhos, pelo que esteve internado no hospital durante quatro dias.

 

A vítima acabou por apresentar queixa contra o agente da PN que foi constituído arguido e acusado de um crime de tortura. Perante as provas recolhidas em tribunal, o juiz condenou o agente da PN a uma pena de dois anos e oito meses, que foi suspensa por quatro anos na condição dele pagar ao queixoso uma quantia de 200 mil escudos no prazo de 10 meses.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.