M I T C H I L I N H A

28/04/2012 00:01 - Modificado em 27/04/2012 22:42

Quem na nôs tempe de rapaz nove, ca ta lembrá daquel boys spurtin por nome de Mitchilinha, c’sê camisinha branquin rolode mei manga, aberte na peite, pintiode c’um super banana bem roladin ta brilhá, na estile de Tony Curtis moda época tava mandá, bem lubzode de brilhantina Yardley sempre ta tcherê sabe.

Mtchilinha, um verdader mnine de Soncente de Cultura Éden Park, vendedor ambulante, frador de vida na nôs Ilha de pobreza moda tcheu otes, na venda de drops, bonbon ma chuclate, quês tava custumá bai fornecê em grosse, lá n’antigue JBC, pa revendê. Más alguns cigarrin de contrabone binde de borde não selode, quês tava vendê c’mute cuidode.

Certe que ca foi el qu’inventá quel sistema e vendedor ambulante na tchon de Soncente, quê primer que lançá quel manera de venda lassim, foi Rui Crucundinha na camin de Monte Sucegue e c’grande sucesse, tê que depôs el cunsigui abri um loja lá mesme na terra d’indio.

Baseode na nha mimória e, bsote desculpame pa quês nome qu’um podê ter esquecide de mentá lissim nês storia, ê de lembrá cma tava fazê parte dês famose grupe de vendedor ambulante de porta de cinema, tonte d’Éden Park cma de cinema de Tuta:

– Chico “drops” que foi grande ponta direita d’Amarante, Ceril, Corre de Nha Laura, Faustino, Lela “bigode”, Manel “magnifico” e nôs dôs broda Mitchel e Mitchilinha irmon d’Orlando de Derby.

Gente podê firmá c’certeza cma ês vendedor ma sês venda ambulante,em nada tava prejudicá quês famose produte artesanal regale de vida de tude gente,fete p’um pessoa que nunca nô podê esquecê,quê nôs grande mãe Tuda “Sucrinha”, mãe de Rui “sucrinha”,Madalena, Aguinaldo ma Beta, na venda de sês chupeta, rebuçode de mancarra, sucrinha ma mancarra torrode que tude gente tava levá ma ês na bolse pa cumpanhá filme, c’sê barulhin bem cunchide daquel critche… critche… dentre de cinema, mesme depôs de luz pagode na hora de cumeçá filme.

Segunde sês área de distribuiçon, ês vendedor ambulante tava prestá um grande sirvice a tude pove de nôs Ilha Soncente, num época em que tê taxi inda era bem poc na praça. Assim, ês tava andá tcheu quilometre durante o dia de rua a rua sem incomodá alguém na sês porta, p’oferecês cosa fresc de venda. E, pa depôs datardinha, ês tude ter de dexi pa morada, na roda de cinema, ondê que ta tinha sempre espectacle e vida active de venda era más forte, pas podia ganhá algum cosa.

Nôs Mitchilinha, sempre bricalhon e pirracente que tava fazê parte dês grupe simpatec de gente vendedor ambulante, tinha um lugar bem a parte na mei daquel munde e na malta.

Cunchide pa sês grite únique de “CASBÁ”, expresson quel tinha uvide e recuperode num filme de nome Hadji Bábá, c’John Derek e Debra Paget (Éden Park – ones 50) e que vrá sê grite de guerra e propaganda pa sê vindinha, o que malta sempre curti. El era também grande mandador de boca na cinema durante hora que filme tava estode ta corrê, ô enton quonde qualquer cosa mariode tava passá moda corte de filme.

Um vez na Park Mira-Mar (cinema de Tuta Melo) el mandá um boca e John de Tuta que tava na projeçon de filme, pegá na microfone e dzê p’assitença:- Oh Mitchilinha dexá de goze quê jame conchêbe na voz… Rizaradada geral!!!

Basta, nôs Mitchilinha home de pirraça ma sempre servental, pa tude banda ondê quel passá, el tava intchi rua d’ligria sempre c’aquel grite sô d’seu já mute bem cunchide de CASBÁ. Enton, tude mnine, gote ma catchorre e gente grande (más bedje) daquês rua, tava bem log pa porta dá Mitcilinha quel salva de Deus e perguntal se ca tinha nuvidade.

Mitchilinha, moce de paz que tava dá bem ma tude gente, para além ser vendedor ambulante era um grande fanátic de Club Sportiv Mindlense, junte má sê irmon Mitchel que morrê n’Holanda, tude’s dôs irmon d’Orlando de Derby, também grande ijgador, naquel tempe de “mama no bôde…”de Marquin de Nhô Quim Chavinha e sê grupe de claquista favor a Mindlense que tava passá durante tude match ta dá volta na Compe de Jogue sempre ta gritá quel: – mama no bôde…

Mitchilinha, foi grande ijgador de ping-pong de nôs Ilha de Monte Cara senon de Cab Verd, junte ma Manuna de Lela de Nê (Tchasse) ma Tuca de Cacai que depôs bai pa Dakar.

Basta, um vez num Campionate d’Arquipelgue que passaba na Soncente lá na Club Sportiv Derby na Soncente, Mitchilinha tchegá de bai pa final ma um de nôs ex-colega de Liceu Gil Eanes, também bom pinponguista por nome de Carlos Vasconcelos natural de Djar Fogo que tinha ganhode tude malta, menes Mitchilinha que foi puste n’andor e dode quel volta de Praça Estrela, moda tradiçon de terra tava mandá.

Enton, nôs Mitchilinha que tava andá sempre janote, bem bestidin, tude cool tude nice, tinha fete cambadinha na mar ma um grupin malta d’seu, fiode cma nunca ês tava cunsigui panhal descuidode derrriba de Cais pa betal na mar, quê el n’era mute daquês cosa d’orela de mar.

Ma um dia quonde Craveiro Lopes (Presidente de Portugal) tinha binde visitá nôs terra Cab Verde, de passaja pa Soncente, Mitchilinha moda tude gente, bai pa curiusidade, oiá quel corteje maritime c’vedeta de Captania pa diante chei de bandera, siguide p’um rebera de bote pa trás tanbém bem enfeitode de bandera ma bandirinha.

Enton, nôs Mitchilinha bai pa esperteza, fecá la na ponta de Cais Nacional, daquel ote banda de Cais d’Alfandega, t’oiá sê corteje seguirode bnitim, devagarim sabe contente, c’foguete na prainha de Praça dos Aviadores (ondê que tem quel Águia) ta estalá no ar bem olte e forte, mandode pa nôs especialista DjaBraba.

Derapente, risarada foi tão forte tê que quaz tchegá de cubri quel barulhe de foguete, quê dôs boys com quem ês tinha fête cambadinha na mar, bai prop devagarin, entrá na Cais Nacional e quonde ês tava na bom posiçon ês foi um data quês cambá na mar c’ropa e tude da la derriba daquel Cais e entre Val de Nhô Batas e tonte otes, tava nôs Mitchilnha completamente desincantide,ta bai ta nadá pa praia, ma sempre c’um sorrise na conte de boca.

Enton, quonde el sei na prainha de Praça dos Aviadores, ês perguntal: – Oh Mitchilinha cmanera, ês betobe na mar, ma bô sempre sorridente porquê boy? Enton, el respondês cma ês betal na mar ok, ma smeme assim el tava contente quê mar ca estragal sê pintiode de bana estile Tony Curtis, pa desuspere de sê malta de cambadinha na mar…Eheheh.

E, assim vida de Mitchilinha ma tude quês ote vendedor ambulante de nôs Ilha de Monte Cara, pude cuntinuá naquel ritme de custume de bom humor, prop de nôs gente, nôs cumpanher que pa sempre ta cuntinuá ta fazê parte de nôs afectes.

 

Zizim Figueira ( José Figueira,júnior)

  1. Obrigado amigo Zizim, Por mais essa rica estória de personagens Mindelenses-São Vicentinas. Que de boas recordações do nosso saudoso e sempre sorridente Mitchilinha
    Como sempre a tua escrita continua excelente e vai sendo lido por todos sem quaisquer dificuldades.Que a Força seja sempre contigo pois partilhamos dessa tua luta.Abraço e um beijinho carinhoso da velha amiga Minda

  2. Um estória muito bem escrita num estilo tpicamente nordestino de Jorge Amado
    onde o nosso autor escritor Zizim de Ti Djô Figuera expõe como em todas as outras o melhor de si mesmo numa escrita em nossa lingua cabo-verdiana de forma linear e abordavel de todos .Parabens ! Tambem conheci o Mitchilinha e me lembro dele em todos os pontos aí apresentados.Um abração Mario

  3. Sr Zizim, Sou de Santo Antão, mas S.Vicente ilha irmã vivi quase toda a minha vida nela lugar onde fiz meus estudos.Sendo mais novo ainda encontrei nuito desse mundo de pirraças, morabeza e forte de solidariedade humana.As suas estórias um dia farão História.Veja se publica tudo isso o mais rapido possível.Porque há muita gente á espera.Recordadr é viver dia o povo e tem razão.Obrigado por mais essa e até á proxima.Um abraço caboverdaino do Humberto Cruz

  4. Sr Zizim, Sou de Santo Antão, mas S.Vicente ilha irmã vivi quase toda a minha vida nela lugar onde fiz meus estudos.Sendo mais novo ainda encontrei nuito desse mundo de pirraças, morabeza e forte de solidariedade humana.As suas estórias um dia farão História.Veja se publica tudo isso o mais rapido possível.Porque há muita gente á espera.Recordadr é viver dia o povo e tem razão.Obrigado por mais essa e até á proxima.Um abraço caboverdaino do Humberto Cruz

  5. Adorei a estoria e passei -a no printa para que logo a hora do almoço possamos le-la em conjunto na nossa Comunidade cabo-verdiana de Sidney-Autralia.Força Zizim e bom domimgo .Um grande abraço nosso Terencio

  6. FR

    sr Zizim, obrigada pa es historias de maltas de socente q t animam sp pa relaxa de traboi uns 5 minutos.Mim ca ta na sv ma de certeza s Deus quiser qd um chega la um t bai conhece Sr pessoalmente.Continua t escreve sp um gd abraço.

  7. ORLANDO-BRITO

    obrigado, senhor zizim por essa boa lembranca,, e verdade essa e uma grande historia, me emocionei tanto porque esses eram meus tios o que morreu na hollanda era (JORGE) MITCHELL, O OUTRO ERA NA VERDADE MITCHEL CAMPEAO DE PINK-PONK QUE VEIO A FALECER MAIS TARDE NA SUA ILHA SVTE……POR FAVOR CONTA-NOS MAIS HISTORIAS DA NOSSA ILHA,NOS DE MINDELO FICAMOS FELIZES,, UN ABRACE SHR FIGUEIRA.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.