Leonesa Fortes “ O centro simboliza ponto de viragem na assistência aos doentes “

24/04/2012 01:50 - Modificado em 24/04/2012 01:50
| Comentários fechados em Leonesa Fortes “ O centro simboliza ponto de viragem na assistência aos doentes “

O centro de acolhimento para doentes evacuados do Instituto Nacional de Previdência Social em Portugal (INPS), foi ontem, dia 22, inaugurado pelo primeiro-ministro, José Maria Neves, no Prior Velho, Loures

 

O primeiro-ministro fez questão de salientar a aposta do governo cabo-verdiano em tudo fazer para melhorar as condições dos doentes evacuados, bem como dotar o país das especialidades necessárias de modo a reduzir o número de evacuados para estrangeiro.

“Já existem no país uma série de especialidades médicas de modo a reduzir o número de evacuações. Fazemos tratamento ao nível da oncológica, da cardiologia, traumatologia, mas ainda temos necessidades de fazer evacuações para o estrangeiro”, declarou o primeiro-ministro.

A prioridade do executivo, nas palavras de José Maria Neves, passa por continuar a cooperar com Portugal e com as instituições de solidariedade de modo a melhorar a qualidade e as condições dos doentes em tratamento. “Temos que continuar a trabalhar para melhorar a qualidade de vida e de acolhimento daqueles que ainda terão de ser evacuados para Portugal”, por falta de especialidades no país.

Para a presidente do INPS, Leonesa Fortes, este empreendimento “simboliza ponto de viragem na assistência aos doentes que procura amenizar os seus problemas de saúde” em Portugal.

O centro terá como missão o acolhimento de todos os doentes em tratamento em Portugal independentemente de estes estarem segurados ou não. Garantir o máximo de conforto aos deslocados é o que a Leonesa Fortes espera que o centro agora inaugurado venha a servir. “Conferir maior dignidade aos que mais precisem e com mais dificuldades e mais necessitados” é a missão do centro.

Outra das novidades introduzidas com a inauguração deste centro é o pagamento dos subsídios aos doentes, pois vão passar a ser pagos através de cartão de débito, numa parceira entre o INPS e a Caixa Geral de Depósitos.

A cada doente será entregue um cartão de débito recarregável com o subsídio de tratamento evitando os atrasos que se têm verificado nos pagamentos e que tem sido alvo de inúmeras reclamações.

Leonesa Fortes terminou dizendo que espera que surjam “outras parceiras que envolvam a comunidade residente em Portugal para a inauguração de novos centros de acolhimento para os doentes evacuados”.

O edifício é constituído por três pisos e tem capacidade para acolher 48 doentes evacuados. Os quartos são duplos e cada piso tem uma copa e balneários completamente equipados.

 

OS @SAPO

http://noticias.sapo.cv/info/artigo/1238326.html

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.