O’brigadá, Cizé

17/12/2012 01:10 - Modificado em 17/12/2012 01:13

Um ano se passou desde que Cisé morreu. Melhor: como disse o trovador, passou para a eternidade. Um ano, uma eternidade sem a Cizé mesmo sabendo que “eternidade bo é  triste, cosa mas certe q no tem“ é muito tempo para o resto do tempo que estaremos sem a pessoa que mais longe levou o nome de Mindelo e de Cabo Verde. Faz um ano que Cizé “parti tá ba na arca azul”. E no “sentá, no tchora já que no ca tinha oté ramede”. Um ano se passou sobre discursos sobre intenções, sobre reconhecimentos tardios e forçados. Um ano sem a Cizé, mas com a Cizé presente e a fazer reclamar para a morna o estatuto que sem a Cizé nunca, os donos da nossa cultura e aspirantes a donos da nossa consciência, iriam reconhecer. Ques gote pintode nesse temp que até cagarra ta canta na rocha, já tinham criado outras músicas nacionais e até um ALUPEC para escrevermos matando a diversidade e a pluralidade que nos fez povo, morna, batuque, coladeira e funaná. Um ano sem a Cizé, um ano que se provou que tão bizarra era essa campanha urdida por falsos doutores e tocadores para relegar a morna para um papel terciário a condizer com o que relegaram  São Vicente. Um ano sem a Cizé, um ano que ficamos a saber como o mundo se rendeu à Diva, à morna. Um ano de saudade, de partida, de lágrimas e, sobretudo, de reconhecimento: O’brigadá, Cizé.

 

Eduíno Santos

  1. Mário Matos

    N ten txeu difikuldade en oiá nome i forsa de Cize ta ser uzóde pa otex géra… No txá otex géra pa brigá na otex mumente se razon de nox lenbransa de sodade e ter Cize pa Iternidade.
    Cize ka bai pakê sê Vox ta tude dia ta kantá pa tude lóde ondê ke tiver un kabe-verdiane, ta zni na nox alma, ta kalentóne i ta ninóne. Cize e póse segur pa levá MORNA a Patrimónie de Umanidade.

  2. Julio Goto

    Ess som de bo voz (vox -voks ou ratfardoma )ta ALUPECOD a maneira.Se pa essim skrevel na Badiu

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.