Rebocador Leopard e o navio Mar Azul vão ser retirados da Baía do Mindelo

14/12/2012 07:14 - Modificado em 14/12/2012 07:14

O rebocador Leopardo encalhado na zona da Galé e o navio Mar Azul afundado junto ao cais onde funcionava a Interbase serão removidos da Baía do Mindelo nos próximos dias. As autoridades marítimas e a empresa Desindava chegaram a um acordo para se desmantelar os navios. E por questão de segurança, o desmantelamento do Leopard e Mar Azul irão ocorrer no cais da ex Onave.

 

O presidente do Instituto Marítimo Portuário, José Manuel Fortes assegurou “a remoção do rebocador Leopard está inserida num contrato de desmantelamento assinado entre a antiga administração do IMP com a empresa Desindava. Esta empresa estava a fazer a limpeza de todos os navios encalhados na ex Onave, como o caso do Jenny, Soncent e Viana que foram retirados para que essa zona ficasse sem qualquer embarcação”.

Com a conclusão desse processo, a empresa Desindava vai arrancar nos próximos dias com o plano de retirada do rebocador Leopard da zona da Galé. Por outro lado, o presidente do IMP acrescenta que o navio Mar Azul afundado junto ao cais onde funcionava a Interbase foi integrado no contrato de retirada do Leopard da Baía de Mindelo.

“A empresa estava na zona da Galé a trabalhar na remoção do rebocador, mas tiveram que paralisar os trabalhos, porque precisamos de retirar imediatamente o Mar Azul, que se encontra afundado numa zona de passagem de embarcações. É um processo complexo que se faz debaixo de água para tapar os buracos e dentro de dias, a empresa fará o navio flutuar para conduzi-lo ao cais da ex Onave” assegura o nosso entrevistado.

O navio será desmantelado nessa área para se evitar uma eventual poluição na Baía do Mindelo. Segundo o presidente do IMP, o cais da ex Onave reúne melhores condições de trabalho e em caso de poluição podem conter a situação.

José Manuel Fortes acrescenta que rebocador Leopard sofrerá o mesmo processo que o Mar Azul quando este for desmantelado. O Leopard será deslocado para a zona dos estaleiros da ex Onave, mas antes na Galé serão retirados as gruas e a parte do casario para facilitar a remoção. Questionado sobre os custos financeiros, o presidente do IMP afirma que a contrapartida assinada no contrato é que a Desindava fique com a sucata extraída das embarcações.

  1. O.C.

    A bem do nosso ambiente acho que o contrato, sendo como aqui se diz, e bom!!

  2. Celso Pires

    Como sabemos a poluição hídrica pode ser fatal para local afectado, por isso todos os cuidados são poucos… Desejo sucessos nesse processo para o bem de todos nós e para o ecosistema…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.