Cabo – verdiana morta em Itália: foi procurar emprego e foi torturada e asfixiada com um saco de plástico

10/12/2012 02:51 - Modificado em 10/12/2012 02:51

O corpo da cidadã, Lourença Lima assassinada na Itália será transladado para São Vicente no dia 14 de Dezembro para que os familiares possam realizar o seu funeral. A cabo-verdiana de 44 anos foi morta por Vicenzo Vergata, um cidadão italiano que, segundo a família da vítima, lhe tinha garantido um emprego para cuidar da mãe. Porém, Lourença viria a conhecer a morte de uma forma trágica com torturas e por asfixia.
João Lima, primo da vítima falou em nome da família da forma como o caso está a abalar os dois filhos de Lourença Lima e os familiares. Assassinada no dia 20 de Novembro em casa de um cidadão italiano de nome Vicenzo Vergata, de 56 anos, a cabo-verdiana de 44 anos, nasceu no concelho do Porto Novo, na ilha de Santo Antão, viveu alguns anos em São Vicente, antes de rumar à Itália onde residiu cerca de 20 anos.
Segundo João Lima “quando foi para Itália passou a trabalhar como empregada doméstica e chegou a residir em Palermo e Cerese. Por estar desempregada foi para Milão procurar emprego e acabou por ser contactada pelo homem que a assassinou para que cuidasse da mãe. A minha prima aceitou o emprego e deslocou-se à casa do indivíduo com a intenção de começar a trabalhar, mas o pior acabou por acontecer”.
O nosso entrevistado diz que pelas informações facultadas pela polícia italiana à família, Lourença Lima foi torturada e morreu por asfixia. “O corpo foi encontrado pela polícia porque o indivíduo foi detido após ter assaltado um supermercado e estava na posse de um bilhete de viagem para a Turquia. Nestas circunstâncias, a sua residência foi alvo de busca e a polícia acabou por encontrar o corpo coberto com pedaços de vestuário nas partes íntimas e objectos da minha prima na casa do cidadão italiano”.
Questionado acerca do móbil do crime, João Lima afirma que “ainda não se apurou a razão que levou o homem a matar Lourença. Suspeitamos que o autor do crime teve conhecimento de que ela estaria por receber o dinheiro de uma possível indemnização e, por isso, tentou extorqui-la. E sem sucesso, acabou por amarrá-la e de seguida agrediu-a com objectos cortantes no rosto e na cabeça e asfixiou-a com uma bolsa de plástico”.
A família de Lourença Lima a viver um momento doloroso não consegue aceitar como é que a vítima encontrou a morte, quando o seu propósito era o de se deslocar a Milão para encontrar um emprego. “Para os filhos e familiares é inaceitável saber que ela morreu de forma cruel, sem conseguir pedir socorro. Esperamos que o indivíduo seja condenado pela sua acção e agradecemos a Embaixada de Cabo Verde em Itália e os cidadãos que garantiram o apoio para a transladação do corpo” conclui o nosso entrevistado.
O NN apurou que a chegada do corpo da cidadã cabo-verdiana a São Vicente está prevista para sábado, dia 15 e será sepultado depois de passar pela casa de um familiar na zona de Espia. Esta informação é confirmada pela agência funerária, Nossa Senhora de Fátima, que ficou encarregada de concluir o processo de transladação do corpo para Cabo Verde

  1. Alcindo Santos

    Apresento as minhas condulencias a familia enlutada, desejando-lhes uma breve consolaçao embora sei que serà uma coisa impossivel de esquecer. Infelizmente nos estamos num Pais aonde coisas do tipo acontecem todos os dias nao obstante os continuos esforços das autoridades no sentido de contrariar a situaçao. nos tb Pedimos Justiça para este delinquente esperando que passe o resto da sua vida na cadeia pensando no mal que provocou a familia de L
    ourença que eu conheci desde menina .

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.