ONU aprova Palestina como Estado observador

29/11/2012 23:23 - Modificado em 29/11/2012 23:23
| Comentários fechados em ONU aprova Palestina como Estado observador

A Assembleia Geral das Nações Unidas votou favoravelmente, e por larga maioria, a resolução que confere à Palestina o estatuto de Estado. A Assembleia Geral da ONU aprovou a resolução para tornar a Palestina membro observador das Nações Unidas com 138 votos a favor (entre os quais o de Portugal), nove contra e 41 abstenções. A votação, que contou com uma abstenção histórica da Alemanha, é uma pesada derrota para Israel e os EUA.

 

 

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, foi o primeiro a discursar perante a Assembleia Geral reunida em Nova Iorque (EUA). Disse que o que reuniu ali os países nesta noite foi “reconhecerem a realidade”. “Não estamos aqui para retirar legitimidade a um Estado, Israel, estamos aqui para legitimar outro Estado, a Palestina”, disse no seu discurso. Pediu a paz, agradeceu e pediu a paz, antes de abandonar o palco debaixo de um prolongado aplauso.O representante de Israel foi o segundo a discursar: “Represento o único Estado judeu que existe”.

 

Uma nota do Ministério dos Negócios Estrangeiros português afirma que “esta votação expressiva traduz o reconhecimento da solução de dois Estados como a única via para a paz, segurança e prosperidade dos povos palestiniano e israelita, e para a estabilidade da região.”

 

Horas antes da sessão ter início em Nova Iorque, já dezenas de milhares de palestinianos estavam nas ruas, celebrando por antecipação a votação da resolução que, ao aceitar a Palestina como membro observador, a reconhece como Estado com direito à autodeterminação.

 

Celebra-se em Gaza e na Cisjordânia, dizem os correspondentes das agências noticiosas e dos jornais, considerando que esta votação na ONU aproximou estes dois territórios palestinianos controlados por forças distintas, respectivamente o Hamas e a Fatah. Há mais de cinco anos que a rivalidade entre estas duas facções mantém as duas zonas “divorciadas”.

 

Em Ramallah, testemunhou a enviada do El País, representantes do movimento islamista Hamas dividia o palco montado para a festa com representantes da Fatah, da Jihad Islâmica e da Frente Popular para a Libertação da Palestina. “Na Praça Yasser Arafat não se viam bandeiras de partidos políticos, apenas a bandeira nacional – verde, branca, vermelha e negra”.

 

“A resolução da ONU não vai mudar o que se passa no terreno”, disse em Israel o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. “Não vai fazer nascer o Estado palestino ou fazer com que o seu nascimento esteja mais próximo; pelo contrário, está mais distante. Tenho uma mensagem simples para os que estão reunidos na Assembleia Geral [da ONU]. Não será uma decisão da ONU a quebrar quatro mil anos de vínculo entre o povo judeu e a terra de Israel”

 

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.