C O N T R A B O N E

21/04/2012 00:01 - Modificado em 20/04/2012 23:19

Moda Dona Saida (assiriana) tava custumá dzê na sê criol rastode: – Tude nês vida ê moda um jogue de “laranjas’casca”. E dvera  na sê filusufia e manera já d’oiá cosa de vida, pa tude bidjinha quel era derriba de sês 97 (noventa e sete) one d’idade, ela tinha razon.

Quê nês vida, pa tude banda ondê q’home passá sempre el dexa sê marca, mariode ô drete, c’tude sê inteligença dês que munde ê munde já naquel tempe quel era presa de tigre de dente de sabre e otes predador “d’era de pliocene”(fin de terciare principe de quaternare)etc.,Tê dia quel cabá pa impô e vrá predador  chef de cadeia alimentar de nôs planeta Terra.

Tude isse, ta bem na linha de conta daquel tempe antigue em que pove de Soncente na sê “struggle for live” (luta pa vida) de tude dia, deboxe daquel parcença calme e tranquile de nôs Baía de Porte Grande de Mindelo c’sê Monte Cara e sês pôr de Sol sem igual ta invadi nôs mar datardinha, de sês bnite escama de prata.

Ma sê Praia de Bote (Patrimone de nôs terra Soncente), c’sê “Muralha Forte” c’dôs entrada, fête de pedra ma cemente, coberte de cripi que tava protegê areia de sê praia.

Lugar ondê que tude mnine, mesme naquel balbúria de gente, tava bai dá quel primer tchluff pa prendê nadá, na mei de tude quês bote pintode, numerode lá rastode ta esperá muvimente de sei pa lorgue, pa negoce, pa pesca ô pa rocega c’ pescador ma fazedor de corda, lá sentode ta cmodá rêde, ta fazê corda, ma sempre c’oie vive na melon, na mantcha de pexe que entraba na quel área, pa podia betá rede, ô na mnine de gente ta nadá, pas ca fogaba na mar.

Tude isse, hoje em dia desaparcide (prova – fotografia d’amigue Jack de Captania, aliás Joaquim Saial), c’um tristeza bem grande pa tude quem que ta lembrá, sobretude daquel antigue e bnite “Murallha” que já li na fotogarfia gente t’óiá cma el ca’stá, um Murallha daquel, parte dum patriomone c’sês monzada de storia ma “souvenirs” pa contá.

Quê log que d’note tava tchegá, ta tinha marinher ma guarda d’Alfândega, espaiode pa tude banda ta goitá tude quel pove negociante e sês tentiva de passá quel contrabone, quê  lá na Praia de Bote ê que tava morrê pexe. Certe que tinha quês negoce moda madera que tava bem de borde e despache era baratim.

Ma tinha otes cosa, moda drops, chuclate “Cadburys” ma cigorre qu’era proibide mesme sel beba de borde, mode concurrença ma comerciante de terra. Assim um vez passode, tinha um que tava compra quês carton tude dum vez e tava fecá ta vendês na gente e malta de sês relaçon ma também pa intermédie de vendedores ambulante, mode quês caxa ô carton que ca tinha quel “sele”de despache d’Alfandega, ma que nem por isse tava dexá de ser, um denhirim quente na mon.

Ma, ‘m ca querê dzê, cma storia de contrabone seja binde de mei de Baía de Porte Grande de Mindelo, ô de grogue de SanAnton, ô d’otes lugar na época, era cosa fácil e tava passá sempre sem problema. O contrare, tive tcheu que foi panhode e que bai pa lama, gente cum conchê que foi vitma de denuncia, ma hoje ‘m prometê de ca mentá nome de gente, nalguns ação que tita bem passá lissim nês texte.

Soncente, tinha três área de negociante de Baía, área de drogaria de Djandjan, c’Pidrim Bettancourt, Lelona, Alvaro, Cucha etc., área de Praia de Bote c’Oscar de Nha Bia d’Antone Gêgê, Joaquim Silva (Quim Chavinha), Faia Santos, Anacleto Évora  de  Casa Lopes e Madeira, Josê Figueira (Ti Djô Figuera), João Damata Costa (Damatinha) pa Casa Figueira & Cª, área de rua de Moeda ma rua de Morguine, c’ Jack Cunqueli Côque, Antunin Cunote, Manuel de Joana, Jon ma Jack Estudante, Jon Doia, Djô de Jon do Chique e mutes otes más que tava incthi tude ês área de negoce.

Um dês stora de contrabone que marcaba nôs Ilha de Soncente ma SanAnton, foi quel daquel guarda d’Alfandega imprudente (nada corrupte) por isse cunchide pum gaje mau dmunde que prendeba um contrabone de grogue, el sô,lá pa praia de Jon D’Ebra,binde de SanAnton. Dzide cma quês contrabandista propol um data de cosa ma dnher, el de pistola na mon, sempre ta dzê cma não. E era um carregamente mute importante de grogue velha que tava valê um fortuna.

Cma el ca queria sabê e cma quês home sinti pirdide, dzide cma ês dexal descuidá ês dal um salha na pistola, tê quel tchegá de feri um c’tire na broce. Enton, ês  pol na tchon despil calça ês plal ove (testicles) c’pedra e dexal morte lá na praia de Jon d’Ebra. Ês bem pa morada, ês fazê sês contacte ês vendê tude quel grogue one time, depôs ês cambá sês terra SanAnton e, tê hoje nem fume nem mandode se foi descoberte quem foi.

Um note, tude quel romantisme de Praia de Bote foi quebrode, pa quel furquilha de cumpade, um rapazin d’oite one d’idade de nome Adeline, fidje de Franguinha remador, c’sê pontaria sem igual qu’era pagode pa quebrá tude vez quel lampada perte de Captania.

E, dês vez, cosa bem passá foi lá na sê Muralha, c’tude bem organizode: –  Três bote na lorgue carregode ta esperá orda, otes gente ta goitá guarda ma marinher d’Alfandega bai jantá pa podia dá quel “free”, quês amdjer de força (Frente de Libertaçon de Praia de Bote) e expediente pa rapte, escuide na ponta dêde, quês home dentre de praia rolode calça c’pê dentre de mar, tude linhode de stand-by.

Orda foi dode, Rosa de Conhe c’sê pescoce de força, nem boi de Dja D’ Moie, foi primer que pô na cabeça, quel primer caxa de cigorre Malbore, siguide de Mari Binisse, Armanda de Vivi, Caela, Antonha de Bill e más uns dôs ô três otes cumpanher de confiança, deboxe dum silencie, ondê que quaz bô tava uvi sês coraçon ta trabaiá c’força e, num esfregar d’oie tude quês vinte cinque caxa de cigorre foi passode e mitide na lugar segure, c’tude ta parcê normal.

Enton, tive um denuncia daquel movimente na Alfandega, pa um home que nem sê nome se ta merecê ser metode li nês storia, quê naquel dia, el tava ta ba desgraçá um data de pai de fidje (soce daquel negoce), em que uns tê tinha doze fidje senon más. Ma, ês home, voz de pove voz de Deus, vida punil de tal manera quel morrê  na miséria la pa USA.

Ma, boca  d’Onje caí de cêu e Raul ma Raulin marinher d’Alfandega, dzê Amen! Quê ês uvi tude quel relate daquel denuncia fête pa quel bandide delator. Enton, la ês actuá não cma autoridade, ma sim pa sentimente de pai de fidje quês era e dode aquel bom tratamente quês tinha ma quaz tude quês moce negociante daquês área.

Ês rancá, sem exigi nada em troca, ba ter dês, ba dzês cma dentre de um hora, Alfandega tava ta bai fazês vistoria na sês casa, pamode denuncia daquês vinte cinque caxa de cigorre passode de contrabone na véspra d’note lá na Muralha de Praia de Bote.

Certe que foi panic geral, depôs duns segunde de reflexon, tude quês caxa de cigorre Malbore que tava na alçapon daquel casa, foi passode c’ajuda de Rosa de Conhe ma sê equipe d’amdjer vassalada, sem preveni pa quintal de casa de vezin, ês tude espantode, ma moce bai ta dzês cma: – depôs ‘m ta explica bsote, quê grinhassim, nôs ê uns data de pai de fidje que ta c’corda na pescoce.Vezim, nice dmunde dexá cosa bai sem problema e assim c’sês help, um data de vida foi salvode dum grande desgraça más que certe.

Quê, um hora depôs, tchegá na lugar, Director cumpanhode  de sês guarda ma marinher d’Alfândega e um oficial de diligência de Tribunal. Revista na lugar, foi passode bem passode na pente fine, ma nada ês ca incontrá naquel casa pa tistemunha e ês sei ta bai c’mon baziu e, tcheu pai de fidje salvode de bai pa cadeia na Vôvô perte de Compe de Jogue e dum miséria más que certe pamode quel delator.

Depôs, quel stock de cigorre sei na lorgue,  foi vindide c’lucre pa tude banda de tchon de Soncente e Ilhas devagarim, c’raçon duple pa tude quem trabaiá naquel operaçon, moda era custume, panela na lume pa tude mnine cmê na sês fome e ta bai pa escola ba prendê alê.

Ês li ê más um treche de vida de tude dia de nôs terra Soncente dum vez, ondê  que solidariedade humana e morabeza, apesar de tude quel pobreza, tava dominá na mei d’home que tava besti calça e era capaz d’assumi tude sês responsablidade sem pedi ninguem nada em troca, quê “Coraçon” ê que tava falá em vez d’inveja ô ganância de dnher.

 

 

Zizim Figuera  ( José Figueira,Júnior )

 

  1. Nha broda Zizim,Como sempre admirável e com um grande impacto positivo na malta toda essas tuas estorias que estão reconstituindo o puzzle do Histórico Mindelense-São Vicnetino. Essa me toca profundamente nos meus afectos.Pois meu pai era um dos que vivia da Porto Grande do Mindelo como muitos com toda honra e orgulho.Gostei imenso
    e ja vou passa lo no print para malta que não tem computador.Também estamos de acordo com atua maravilhosa escrita.Obrigado por tudo e até próximo sábado.Abs Tidic

  2. Excelente trabalho meu caro Zizim, Pois imortalizando toda essa gente e factos nessas tuas estóris continuas fazendo Historia da nossa bem amada Ilha S.Vicente de Cabo Verde e nós que vivemos essa época de probreza mas de grande solidariedade humana
    com essas tuas magnificas crónicas sentimod recuar no tempo.Força para continuares e até quando puseres tudo isso num livro.Um beijinho carinhoso da amiga de sempre Herminia

  3. Caro Zizim, Gostei imenso desta crónica e sou teu leitor assiduo.Força irmão para continuares.Abs Jorge

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.