Apanha do pepino-do-mar: pescador internado no HBS com lesões graves

29/11/2012 03:01 - Modificado em 29/11/2012 03:01

A captura do pepino-do-mar na zona sul do Ilhéu dos Pássaros faz uma nova vítima. Trata-se de Irineu Pires Delgado que sofreu uma embolia gasosa durante a apanha do pepino-do-mar nessa região. De acordo com informações colhidas no HBS, o indivíduo encontra-se em observação médica nos Cuidados Intensivos do Banco de Urgência.

 

Nesta quarta-feira, por volta das 13 horas, um mergulhador da localidade de São Pedro sofreu uma indisposição quando apanhava pepino-do-mar na zona sul do Ilhéu dos Pássaros. .

 

Este online soube que a vítima realizou mais do que uma imersão numa zona com mais de 40 metros de profundidade e acabou por sofrer uma descompressão no corpo ( embolia). Segundo Maria Delgado, irmã do mergulhador “após sofrer a indisposição foi conduzido pelos colegas ao Hospital Baptista de Sousa, porque sofreu lesões no corpo que lhe poderão ter paralisado os braços e as pernas”.

 

A nossa entrevistada diz que a família de Irineu está abalada com a situação, uma vez que no mês de Outubro, um jovem de São Pedro faleceu depois de sofrer uma indisposição dessa natureza quando apanhava pepino-do-mar nessa mesma região.

 

Maria Delgado acrescenta que “ele encontrou nessa espécie um meio de subsistência, mas com o caso da morte do Evaristo foi aconselhado pela família a abandonar esse negócio. 1Mas não quis desistir da captura do pepino-do-mar e agora ele foi vítima dessa prática que deixou marcas que dificilmente se apagarão da memória de quem vive na nossa zona”.

 

Mergulho da morte

 

Recorde-se que no dia 22 de Outubro, um pescador de nome Evaristo Silva, 28 anos faleceu no Hospital Baptista de Sousa, vítima da apanha do pepino-do-mar na região sul do Ilhéu dos Pássaros. Evaristo sofreu uma descompressão no corpo que lhe provocou paralisia nos braços e pernas e 10 dias depois do incidente não resistiu às lesões.

 

Mas nem com esta morte, os pescadores/mergulhadores deixaram de fazer a captura dessa espécie, que foi proibida por decisão da Direcção-Geral das Pescas. E hoje, a localidade de São Pedro viveu um novo momento de um negócio que tem dois lados trágicos: a morte ou a incapacidade física de mergulhadores que se dedicam a essa actividade.

 

Notícias relacionadas:

 

http://noticiasdonorte.publ.cv/6745/apanha-do-pepino-do-mar-tres-mergulhadores-com-paralisia-nos-membros/

 

http://noticiasdonorte.publ.cv/6602/6602/

 

  1. CidadaoCV

    Mais uma vez o que se pode fazer é lamentar mais esta tragédia. Lamentar e culpabilizar a própria vítima. Ele sabia dos riscos que estava a correr, e se mesmo assim insistiu na actividade, só porque podia render-lhe um “bom dinheiro”. A atitude dele foi suicida. Agora pergunto: “o bom dinheiro” que provavelmente terá ganho, serviu para tirar a ele e a família da “miséria”? Vai dar para recuperar a saúde dele? Se morrer este “bom dinheiro” garante o sustento da família. Certamente que não.

  2. CidadaoCV

    É urgente que alguém tome as medidas necessárias para evitar mais tragédias deste tipo. É preciso saber que são os compradores dos tais pepinos, e aplicar-lhes multas exemplares, com contorne de crime. É preciso que alguém explique, com formações, palestras… aos pescadores o que é uma embolia. E que lhes explique que o hospital não tem os meios adequados para o tratamento.

  3. Mergulhador amador..

    O mergulho autônomo recreativo tem limites bastante claros tal como a profundidade máxima de 40 metros. Para quem começa a mergulhar o limite de profundidade recomendado é de 18 metros. À medida que o mergulhador ganha experiência ou busca treinamento adicional, ele pode estender seu limite de profundidade para 30 metros. Esses limites de profundidade foram estabelecidos devido a certos riscos. Por exemplo, com o aumento da profundidade o ar passa ter características de gás anestésico, reduzindo nossos reflexos e nossa capacidade de raciocínio tornando maior a probabilidade de um acidente. Um curso de mergulho nos ensina como prevenir problemas, como reconhecê-los e como lidar com essas situações. As regras são bastante simples e fáceis de ser seguidas. Ignorá-las ou negligenciá-las pode levar a acidentes com conseqüências sérias que podem incluir a paralisia ou a morte…

  4. Mergulhador amador..

    Preparação para a imersão

    Várias condições físicas e mentais podem aumentar o risco de contratempos e de lesões durante uma imersão. Por isso, as pessoas que desejem mergulhar deverão ser examinadas por um médico que conheça o tema. Os mergulhadores profissionais podem ser submetidos a testes clínicos específicos, como os que controlam o funcionamento do coração e dos pulmões, provas de esforço e controlos do ouvido e da vista; também lhes são feitas radiografias aos ossos. Além disso, é absolutamente necessário que a pessoa esteja treinada para mergulhar.
    Bom estado cardiovascular
    Necessário para uma grande actividade física (por exemplo, levar garrafas de ar e nadar vigorosamente).
    Ritmo cardíaco irregular
    Deve ser determinado o seu tipo e causa;
    possível risco de morte súbita.
    Buraco oval aberto (uma deficiência cardíaca)
    Risco de que bolhas de ar cheguem ao cérebro (embolia de ar).
    Problemas pulmonares como asma, quistos pulmonares, enfisema, antecedentes de pneumotórax
    Risco de retenção de ar em espaços do corpo e de uma embolia de ar.
    Congestão crónica do nariz e dos seios perinasais, ruptura do tímpano
    Dificuldade em equilibrar a pressão, maior risco de infecção.
    Congestão nasal provocada por constipações ou alergia
    Deverá evitar-se a imersão até que a pessoa esteja recuperada.
    Epilepsia, enjoos, diabetes insulinodependente
    Maior risco de perda de consciência ou alteração do estado de vigília.
    Impedimentos físicos
    Deverão ser considerados em termos da capacidade de cuidar de si próprio e de ajudar outros mergulhadores.
    Comportamento impulsivo: tendência para sofrer acidentes
    Maior risco de lesões em si próprio e nos seus acompanhantes.
    Obesidade
    Costuma ser acompanhada de más condições físicas e de um maior risco de problemas por descompressão.
    Idade avançada
    A pessoa deverá ser examinada para detectar factores de risco de diversas doenças, sobretudo problemas do coração e dos pulmões;
    pode ser mais susceptível à doença por descompressão.
    Gravidez
    Risco de provocar defeitos de nascença ou o aborto.
    Sexo
    As mulheres podem ser mais susceptíveis à doença por descompressão.
    Medicamentos que podem provocar sonolência
    Estado de vigília deficiente;
    agravamento da narcose pelo azoto.
    Abuso de álcool ou de drogas
    Lucidez e reflexos reduzidos.

  5. Pedroso (Amadora)

    Pena! E muita ganancia e esquecem do perigo que correm.Todos os mergulhadores de S.Pedro e outras comunidades piscatorias do Pais teem conhecimento da desgraça que esse tipo de pesca traz , devido a temosia e ganhar mais dinheiro arriscam-se, acabando perder a vida ou ficam incapacitados por toda a vida que resta para viver.Tomem cuidado e dedicam outro tipo de pesca que garante rendimento para melhoria de vida dos familiares e melhor segurança.Parem de fazer pesca do PEPINO -Do-Mar minha gente!

  6. infelizmente

    mas tambem é certo que essas pessoas não são crianças, devem medir o grau do alto risco existente nessa actividade proibida. lamento mas essas pessoas tem a noção do perigo mais do que ninguem.
    desejo a retoma da saude da pessoa em causa

  7. Piras

    Este é mais um caso triste. É preciso que alguém de direito explique aos pescadores quais são os riscos dessa actividade.
    Desejo melhoras para o acidentado.
    Gostaria de saber o que é exactamente uma embolia e se em Cabo Verde existem condições para um bom tratamento?

  8. Baldoque

    Autoridades façam o vosso trabalho. A apanha do Pepino-do-mar é proíbida. Porque deixar que o façam na vossa barba cara?
    O ilhéu dos pássaros é a entrada de S. Vicente.
    Polícia Marítima onde estão vocês?

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.