Ministério das Finanças angolano diz que baixa dos preço do petróleo ainda se sente na economia

31/08/2018 12:47 - Modificado em 31/08/2018 12:47
| Comentários fechados em Ministério das Finanças angolano diz que baixa dos preço do petróleo ainda se sente na economia

Os efeitos da depreciação do preço do petróleo ainda se fazem sentir na economia angolana apesar da atual alta, porque se deteriorou a capacidade instalada para garantir a produção presente e futura, disse esta sexta-feira fonte oficial do Ministério das Finanças.

Segundo o Diretor do Gabinete de Estatísticas do Ministério das Finanças angolano, Osvaldo João, que falava no seminário “Instrumentos de Financiamento das Instituições Internacionais”, Angola tem tentado diversificar as fontes de financiamento do Orçamento Geral do Estado (OGE) para garantir a execução dos programas e projetos contidos no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018-2022. Por isso, sublinhou, o tema do financiamento tornou-se nos últimos anos uma “questão central” da governação em Angola, bem como na de outros países, “fruto do efeito prolongado da queda do preço das matérias-primas nos mercados internacionais”.

Osvaldo João salientou que, apesar do “alta” atual do preço das matérias-primas nos últimos trimestres, como o caso do petróleo, os efeitos da depreciação prolongada “ainda se fazem sentir”, na medida em que deteriorou a capacidade instalada para garantir a produção presente e futura. “Foi nesse quadro que o Governo de Angola solicitou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que as negociações que já estavam em curso para um Programa de Assistência Técnica evoluíssem [este mês] para um Programa de Financiamento Ampliado (PFA)”, sublinhou.

Para Osvaldo João, o PFA a que Angola pode aceder na sua qualidade de membro do FMI permitirá, no curto e longo prazos, alargar os prazos e diminuir as taxas de juro dos empréstimos que o Estado contrai. Segundo o responsável do Ministério das Finanças angolano, o PFA “vai impulsionar a execução” do Programa de Estabilidade Macroeconómica (PEM) e do novo PDN para 2018-2022. Por isso, considerou ser “fundamental” que o atual esforço de saneamento das Finanças Públicas “não obstaculize” o lançamento de programas e projetos vocacionados para o desenvolvimento do país.

Angola é o segundo maior produtor de petróleo em África, atrás apenas da Nigéria, com uma produção de 1,6 milhões de crude por dia.

Fonte oficial do Ministério das Finanças de Angola disse que os efeitos da depreciação do preço do petróleo ainda se fazem sentir na economia do país, apesar da atual alta.

Os efeitos da depreciação do preço do petróleo ainda se fazem sentir na economia angolana apesar da atual alta, porque se deteriorou a capacidade instalada para garantir a produção presente e futura, disse esta sexta-feira fonte oficial do Ministério das Finanças.

Segundo o Diretor do Gabinete de Estatísticas do Ministério das Finanças angolano, Osvaldo João, que falava no seminário “Instrumentos de Financiamento das Instituições Internacionais”, Angola tem tentado diversificar as fontes de financiamento do Orçamento Geral do Estado (OGE) para garantir a execução dos programas e projetos contidos no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018-2022. Por isso, sublinhou, o tema do financiamento tornou-se nos últimos anos uma “questão central” da governação em Angola, bem como na de outros países, “fruto do efeito prolongado da queda do preço das matérias-primas nos mercados internacionais”.

Osvaldo João salientou que, apesar do “alta” atual do preço das matérias-primas nos últimos trimestres, como o caso do petróleo, os efeitos da depreciação prolongada “ainda se fazem sentir”, na medida em que deteriorou a capacidade instalada para garantir a produção presente e futura. “Foi nesse quadro que o Governo de Angola solicitou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que as negociações que já estavam em curso para um Programa de Assistência Técnica evoluíssem [este mês] para um Programa de Financiamento Ampliado (PFA)”, sublinhou.

Para Osvaldo João, o PFA a que Angola pode aceder na sua qualidade de membro do FMI permitirá, no curto e longo prazos, alargar os prazos e diminuir as taxas de juro dos empréstimos que o Estado contrai. Segundo o responsável do Ministério das Finanças angolano, o PFA “vai impulsionar a execução” do Programa de Estabilidade Macroeconómica (PEM) e do novo PDN para 2018-2022. Por isso, considerou ser “fundamental” que o atual esforço de saneamento das Finanças Públicas “não obstaculize” o lançamento de programas e projetos vocacionados para o desenvolvimento do país.

Angola é o segundo maior produtor de petróleo em África, atrás apenas da Nigéria, com uma produção de 1,6 milhões de crude por dia.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.