Mulher morreu ao tentar aborto com um ramo de salsa na Argentina

26/08/2018 21:28 - Modificado em 26/08/2018 21:28
| Comentários fechados em Mulher morreu ao tentar aborto com um ramo de salsa na Argentina

Uma mulher morreu com uma infeção generalizada causada por um ramo de salsa que introduziu no útero para forçar um aborto. Um caso está a chocar a Argentina, duas semanas depois de o Senado ter contrariado os deputados votando contra a legalização da interrupção da gravidez.

A mulher, de 34 anos, deu entrada no Hospital Belgrano, em San Martin, Argentina, no passado domingo. “Tinha um ramo de salsa no útero e apresentava um quadro de choque sético”, segundo Ana Paula Fagiolo, da Rede de Profissionais de Saúde pelo Direito a Decidir.

“Foi sujeita a uma histerectomia de urgência, em que se lhe retirou o útero, onde estava a infeção. Mas este tipo de infeções avança muito depressa e o quadro era gravíssimo”, acrescentou, citada pela imprensa argentina. Entre a vida e a morte, a jovem, oriunda de uma das zonas mais pobres de José León Suárez, na Argentina, foi transferida para o Hospital Geral de Pacheco, na cidade de Tigre, mas não resistiu.

“O útero é um local sem germes. Ao introduzir talos de salsa entraram no útero os germes da vagina, da salsa e do local onde vivia a mulher, causando uma infeção interna do útero”, explicou Ana Paula. “Quando se chega ao estado desta mulher, o útero transforma-se num foco de infeção e a doença dissemina-se rapidamente de forma vascular”, explicou.

Com a mulher estiveram sempre a mãe e a irmã desta, que tinham medo de queixar-se, temendo que a vítima fosse presa. Na Argentina, a interrupção da gravidez só é permitida em caso de risco de vida, violação ou problemas mentais da gestante. Noutro tipo de casos, é punida com pena de prisão.

No início do mês, o Senado contrariou os deputados e recusou a despenalização do aborto. A morte desta mulher reacende a discussão, que durante três meses dividiu a comunidade política argentina.

“Para aqueles que dizem que o aborto legal fica caro ao Estado, digo-lhes que os custos que se pagaram com esta mulher foram altíssimos: uma cirurgia para retirar o útero, uma noite nos cuidados intensivos, a mudança de hospital e uma nova intervenção cirúrgica”, disse Ana Paula, crítica do chumbo da legalização do aborto na Argentina. “Sabíamos que isto ia acontecer. Este é o resultado do desespero de uma mulher pobre que fez o que tinha ao seu alcance”, acrescentou.

A plataforma de apoio à legalização do aborto na Argentina reagiu em comunicado a este caso. “Desde 8 de agosto, cada mulher morta ou presa por abortar é responsabilidade do Poder Executivo Nacional e dos 40 senadores e senadoras, integrantes do poder legislativo, que se abstiveram ou votaram contra o nosso direito à vida, à saúde e ao reconhecimento da nossa dignidade”.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.