Privatização da TACV:  Existem vinte interessados na compra

1/08/2018 00:58 - Modificado em 1/08/2018 00:58

O Governo, devido às “suspeições levantadas durante a última Sessão Parlamentar relativamente ao processo de privatização da TACV”, afirma ser importante esclarecer que o processo tem vindo a ser conduzido “no estrito cumprimento do estabelecido no Decreto-lei de 45/2017 de 21 de Setembro”. E ainda sobre as suspeições, em comunicado, afirma que a equipa envolvida no processo tem vindo a geri-lo de forma profissional e responsável, respeitando os trâmites legais.

Como explica o Governo, de acordo com o decreto já mencionado, o mesmo determina que a privatização da empresa será por venda directa do respectivo capital social detido pelo Estado. Sobre as fases do processo, proceder-se-á a uma venda directa de referência a investidores institucionais de acções representativas até 39% do capital social da empresa, a uma venda directa a um parceiro estratégico de 51% do capital e ainda a uma alienação aos trabalhadores e emigrantes de nacionalidade cabo-verdiana, num lote adicional de acções representativas até 10% do capital social da TACV S.A.

Sobre o parceiro estratégico, avança que “são investidores institucionais as empresas com actividades afins e ou instituições financeiras, qualquer que seja a sua forma social e a sua natureza pública ou privada que investem no mercado de capitais. O parceiro estratégico referido inclui, a título exclusivo ou principal, uma sociedade comercial com experiência relevante no transporte aéreo internacional de passageiros, conjugado à experiência técnica e de gestão no sector da aviação, idoneidade e capacidade financeira, de acordo com os objectivos estratégicos fixados no processo de privatização.

Neste aspecto, avança que um parceiro sem experiência relevante no transporte aéreo internacional não poderá adquirir o bloco dos 51 por cento.

“Até ao momento, a Unidade de Acompanhamento do Sector Empresarial do Estado (UASE) já recebeu aproximadamente 20 manifestações de interesse espontâneas de empresários e empresas nacionais, mas também de investidores estrangeiros, alguns deles com grandes investimentos já realizados no país. A UASE cumpre com as leis em vigor e trabalha para garantir a absoluta transparência e igualdade de oportunidades durante todo o processo”, comunica o Governo.

 

  1. Carlos Tavares

    Entao as coisas nao eram assim tao mal como andavam por aí a dizer

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.