A Binter não foi solicitada para fazer a evacuação da paciente que acabou por morrer

25/06/2018 15:40 - Modificado em 25/06/2018 15:40

Em comunicado a Binter Cabo Verde  rejeita qualquer responsabilidade no caso da morte de uma mulher grávida que acabou por ser evacuada da ilha da Boavista por via marítima e viria a morrer. A transportadora defende que “ que nunca recebeu requisição para realização da evacuação do paciente da Boa Vista para a Ilha de Santiago “. Assim defende que não negou o transporte porque “ não foi solicitada para tal “. A Binter diz que “só teve conhecimento do estado da paciente pela média e redes sociais e considera inaceitável, as responsabilidades amputadas à companhia, considerando os esforços que vem fazendo “todos os dias para ajudar neste tipo de situações “

E esclarece que a Transportadora está a fazer “ todas as evacuações solicitadas, embora considere que ” os aviões que deveriam ser utilizados para estas situações deveriam ser específicos, com equipamento médico, isto é, aviões ambulância ou helicópteros, tal como se faz em outros territórios compostos por ilhas”. E esclarece que embora os seus aviões estejam licenciados e preparados apenas para o transporte regular de passageiros os seus aviões já efectuaram mais de 90 evacuações (44 no ano 2017 e 47 em 2018 até o mês de Junho), com todas as condições de segurança, sempre que solicitadas”.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.