Familiares dos velejadores reagem: “A justiça de Cabo Verde mantém o meu filho preso, de forma injusta e cruel“

14/06/2018 07:53 - Modificado em 14/06/2018 07:53

Os familiares dos velejadores presos na Cadeia da Ribeirinha , São Vicente , condenados a 10 de prisao  em primeira instancia por trafico de drogas , no processo conhecido como “ Operacçao Zorro “ reagiram nas redes sociais   a noticia que A juíza da 2ª vara da Secção Judiciaria do Estado da Baia, num despacho de 26 de Abril de 2018, decretou a prisão preventiva a pedido do Ministério Publico Federal do Brasil por “haver suficientes indícios de autoria a pesar contra Robert James Delbos, e George Edward Saul como responsáveis por operacionalizar o acondicionamento e transporte de mais de uma tonelada de cocaína que foi remetida para o exterior e apreendida no Porto Grande do Mindelo no dia 24 de Agosto de 2017″.  Joao Dantas , pai de Rodrigo Dantas , um dos vejelejadores brasieiros preso , reagiu da seguinte forma a decisao da justiça brasileira”.

“Enquanto isso , a justiça de Cabo Verde mantém o meu filho preso, de forma injusta e cruel, trazendo sofrimento e dor, para toda a familia e amigos, além da indignação generalizada e absurda de todos que acompanham essa triste história, onde a verdade vai prevalecer e a mentira vai aparecer.
A Polícia Federal Brasileira investigou o crime, onde a quase totalidade foi praticado e executado em território brasileiro, através de um inquérito sério e responsável. Emitiu um despacho fundamentado onde deixou claro a não participação dos velejadores em nenhum momento desse projeto criminoso. O Ministério Público Federal do Brasil acatou o inquérito e o despacho e encaminhou para a Justiça Federal do Brasil que decretou a prisão dos ingleses e a imediata expedição para a DIFUSÃO VERMELHA internacional.
E a Policia Judiciaria de Cabo Verde?
E o Ministério Publico de Cabo Verde?
E a Justiça de Cabo Verde?
A PJ no inicio das investigações pediu informações à PF Brasileira e as aceitou para acusar. Mas no decorrer do processo, quando a PF Brasileira avançou nas investigações e emitiu o DESPACHO FUNDAMENTADO onde inocentava os brasileiros, a PJ recusou. Isso está registrado quando a defesa de Rodrigo Dantas, no julgamento contestou o chefe da PJ e este ficou sem resposta por que não aceitou.
O Ministério Público de Cabo Verde declarou, durante o julgamento , de forma ofensiva e desrespeitosa contra umas das mais sérias instituições brasileiras , a POLICIA FEDERAL BRAISLEIRA, que o inquérito era uma encomenda da defesa. Isso está impresso na citação do Juiz na Sentença, pagina 95: “ Documento, a que o M.P. propugnou chamar de um” inquérito encomendado” …”. Ora, isso se traduz numa ofensa, não só à Nação Brasileira , mas um completo desrespeito a todos os brasileiros, e principalmente a humilhação sofrida pelos arguídos, os familiares e o diplomata da Embaixada Brasileira em Cabo Verde, representando o Estado Brasileiro presentes ao julgamento.
Nem a PJ e nem o MP de Cabo Verde não apresentaram nenhuma prova da participação dos velejadores em nenhum momento do julgamento e em atitude incompreensível para as leis de um país em pleno estado de direito, inverteu o ônus da prova para os arguídos.
Por fim o Juiz, que no pleno sentido da sua essência , deveria representar o equilíbrio , a razão, a busca da verdade e seguir um velho ditado : na dúvida , melhor inocentar um culpado do que condenar um inocente. Em todos os dias de julgamento e isso é público e possível de acessar aos áudios oficiais do julgamento, em nenhum momento sequer , mostrou imparcialidade ou pelo menos um pouco de “ in dubio pro reo” . Desqualificou o DESPACHO FUNDAMENTADO da Policia Federal Brasileira, volto aqui na mesma citação do Juiz na Sentença , pagina 95, “Documento, a que o M.P. propugnou chamar de um “inquérito encomendado” e repita-se, percebe-se esta afirmação apesar do tribunal não acompanhar a infeliz denominação mas, infelizmente a Polícia Federal Brasileira faz várias afirmações no dito inquérito a que se pode qualificar com toda a certeza de , deveras contraditórias e julga-se, por um desconhecimento parcial da investigação e as provas coligidas nesse processo que ora se decide”.
E a surpresa maior , quando em nome da celeridade do processo , não permitiu ouvir as testemunhas de defesa de Rodrigo Dantas, entre elas, o DELEGADO DA POLICIA FEDERAL DO BRASIL, presidente do inquérito, numa clara atitude de cerceamento de defesa, e também numa obscura manobra, dando continuidade ao seu projeto acusador, acima do julgador , a sentenciar ,de forma sumária, todos a 10 anos de prisão.
O testemunho de uma autoridade policial federal, seria considerado como um dádiva em qualquer processo, não só pela sua credibilidade, mas pela importância para a elucidação dos fatos. Mas, recusar essa ajuda ? Muito estranho.
Enfim, Cabo Verde é uma democracia , em pleno estado de direito, acredito nas instâncias superiores, que agora estão a avaliar a “ SENTENÇA DO ZORRO”. Um colegiado de juízes, munidos de longa experiência, equilíbrio e ponderação.
VOLTA NAVEGANTE, VOLTA. “

  1. rogério pires

    Curiosidades

    Passeava pelas bandas da praça nova quando de repente olhei para o lado, apesar do aconselhamento do nosso 1.º Ministro no sentido de “sem djobo pa ladu” reparei que o Sr. juiz de que muito se fala saia de uma viatura que acabara de estacionar e que se julga ser dele e reparei que a marca do carro fazia referência a ZORRO ou seja “crossfox” algo que tem a ver com o zorro. intencional ou não esse ilustre juiz é mesmo zorro, não só por se trajar a preto mas também pela sua rapidez com que se movimenta. Temos juiz.

  2. rogério pires

    elogios e pedidos de desculpas

    Ah quase que me esquecia. corre rumores de que ele foi personalidade do ano declarado pelo jornal notícias do norte em 2012. há quem diga que sim e que se encontra no site. Terá havido algumas palmadas nas costas do meritissimo juiz tavares? bem verdade ou não ele que me desculpa. Agora, perguntamos se não existe mais juízes em cabo verde das duas uma: ou os outros nada fazem ou este nosso juizes inventa o que fazer? haja juizes nés terrra

  3. Letcha Vieira

    “VOLTA NAVEGANTE, VOLTA” mas por favor traga outras mercadorias como seja alimentos para mitigar os efeitos da seca e da fome que infelizmente esta fustigando estas ilhas des(Afortunadas).

  4. Bruno Almeida

    Gostaria de perguntar a essa gente que defende a inocência da tripulação que foi encontrada com a droga no navio que eles navegavam se fosse na INDONÉSIA, qual seria o verdito ?

  5. Adelia Araujo Lima

    Sra. Letcha Vieira dirija os seus pedidos de ajuda ao George Edward Saul e Robert James Delbos que são traficantes.
    Tenha coragem e faça seu pedido a eles.
    Os nossos rapazes são velejadores e foram enganados por eles e estão passando por tudo isso. .

  6. iuri cunha

    desejamos que o processo seja revisto e julgado de acordo com a provas apresentadas,por juízes comprometidos em cumprir a lei ,sem sensacionalismo . apenas isso.

  7. Claudio Imbassahy

    Esperamos que a sentença seja revista, principalmente agora com a prisão de um dos reais donos e responsáveis pela droga. Absurdo a forma como o processo foi conduzido. Vamos manter a fé e emitir vibrações positivas, para que logo eles estejam em liberdade.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.