CSMJ arquiva  denúncias de Amadeu Oliveira :  “ os ataques aos juízes não passam de um repugnante exercício de retaliação”

31/05/2018 03:02 - Modificado em 31/05/2018 03:02
| Comentários fechados em CSMJ arquiva  denúncias de Amadeu Oliveira :  “ os ataques aos juízes não passam de um repugnante exercício de retaliação”

O Conselho Superior de Magistratura Judicial terminou o inquérito que  mandou realizar as denúncias do advogado Amadeu Oliveira. CSMJ considera que denúncias de Amadeu Oliveira não tem fundamento e reitera confiança nos juízes visados . Bernardino Delgado , presidente do CSMJ,  disse que “ a Inspecção Judicial não apurou a existência de indícios ou quaisquer sinais de que juízes Conselheiros da Secção Criminal do STJ tenham incorrido nas graves infracções que lhes foram imputadas”.

,  Bernardino Delgado afirmou que  na ausência desses indícios o Amadeu Oliveira foi, por duas vezes, notificado para comparecer perante o Inspector Judicial a fim de precisar o conteúdo das denúncias e apresentar provas concretas, mas que “não se dignou comparecer” E mediante a recusou  , considera que “não restou ao Conselho Superior da Magistratura Judicial outra tomada de posição, que não fosse acolher o relatório da Inspecção Judicial e ordenar o arquivamento dos autos “

Bernardino Delgado  diz que “ os ferozes ataques aos magistrados, feitos por Amadeu Oliveira, não passam de um repugnante exercício de retaliação, pelas decisões proferidas pelos mesmos, que acabam por não lhe agradar”.

O Presidente do CSMJ prossegue afirmando que a postura de Amadeu Oliveira, “susceptível de condicionar a independência da magistratura judicial e de levar a que se lhe dispense um tratamento privilegiado nos tribunais, pelo temor às suas represálias, deve ser objecto da mais firme condenação

 

 Numa  conferência  de imprensa, na cidade do Mindelo, do dia 18 de Outubro  o Advogado Amadeu Oliveira, reiterou as críticas ao sistema de justiça, em particular a sessão de justiça  do Supremo Tribunal de Justiça, onde acusou os juízes Benfeito Mosso Ramos, Fátima Coronel e Sara Boal de inserirem falsidades nos processo para colocar inocentes  na cadeia.

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.