Novo relatório põe fim a teorias da conspiração sobre morte de Hitler

23/05/2018 07:19 - Modificado em 23/05/2018 07:19
| Comentários fechados em Novo relatório põe fim a teorias da conspiração sobre morte de Hitler

Feita nova análise aos dentes de Adolf Hitler, um dos restos mortais que sobrevivem mais 70 anos após a morte do ditador.

Uma equipa de patologistas franceses pôde, recentemente, analisar um conjunto de dentes que foram recuperados pelas forças soviéticas em Berlim, no início de maio de 1945, e que estavam guardados em Moscovo. Esta foi a primeira vez que as autoridades russas autorizaram a análises da dentição em mais de 70 anos.

As conclusão dos especialistas, publicadas no European Journal of Internal Medicine, são claras: Adolf Hitler morreu mesmo a 30 de abril de 1945, como dizem os livros de história.

“Os dentes são autênticos – não há dúvida possível. O nosso estudo prova que Hitler morreu em 1945”, afirma o líder da equipa de patologistas, Philippe Charlier, à agência de notícias francesa AFP.

Hitler, recorde-se, vendo-se rodeado pelas tropas aliadas e sem hipótese de comunicar com o que restava da Wehrmacht [forças armadas do Terceiro Reich], decidiu suicidar-se, juntamente com Eva Braun, a sua mulher (na imagem). Antes de se matar, porém, deixou instruções precisas sobre o que deveria acontecer ao seu corpo: devia ser queimado.

Os seus restos mortais, e os de Eva, foram encontrados apenas no dia 5 de maio pelas forças soviéticas, tendo sido facilmente identificado pelos seus dentes (eram tão maus que, em 32 dentes, apenas cinco eram seus).

“Os dentes de Hitler eram tão maus – extraordinariamente maus – que era possível identificar o corpo só através dos dentes”, indicou o patologista forense Mark Benecke.

Ainda assim, e sem um corpo que se pudesse fotografar, as teorias da conspiração sempre dominaram no que respeita à morte do ‘führer’ alemão. “Não podemos pôr fim a todas as teorias da conspiração sobre Hitler mas não fugiu para a Argentina num submarino, não está escondido numa base secreta da Antártida nem no lado negro da Lua”, indicou Philippe Charlier.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.