Sindicatos acusam Governo de ajudar as empresas de segurança privada a “sufocar” os vigilantes

18/05/2018 02:42 - Modificado em 18/05/2018 02:42
| Comentários fechados em Sindicatos acusam Governo de ajudar as empresas de segurança privada a “sufocar” os vigilantes

All-focus

Declarações feitas a propósito da greve de 72 horas agendada para esta quinta-feira, 17 de Maio até sábado, 19, em todo o território nacional. Isso porque o Governou anunciou a requisição civil para os serviços mínimos, facto que desagradou os sindicatos e vigilantes que vêem nisso uma forma de “descaso” para os problemas da categoria.

Na requisição civil publicada no BO pelo Governo, pode-se ler que “é requisitado o pessoal das empresas de segurança privada (…) para assegurar a prestação dos serviços considerados indefensáveis e que se mostram necessários e adequados à satisfação de necessidades impreteríveis da comunidade, com vista a evitar prejuízos irremediáveis e/ou sacrifícios incomportáveis”.

Para os sindicalistas, o Governo foi ao encontro da violação dos direitos que assistem esses trabalhadores e, tendo em consideração que recebemos a informação da requisição civil esta manhã e a greve já estava marcada, vamos fazer a manifestação, reunirmo-nos com os vigilantes e tomar uma decisão.

Garantem ainda que nesta sexta-feira, 18, os sindicatos vão enviar um novo pré-aviso de greve já que “os vigilantes estão cansados”, lembrando que o acordo colectivo de trabalho assinado em Fevereiro e publicado no BO em Março, não está a ser cumprido.

“O Governo não ajudou, deixando sufocar esses trabalhadores e não quis que os mesmos reivindicassem os seus direitos”, acusou, sublinhando que o Presidente da Associação Nacional das Empresas de Segurança Privada (ANESP), Francisco Nascimento, ia pedir um parecer jurídico e suscitar junto do poder judicial a ilegalidade da referida greve, que “não tem sentido nenhum”.

Os trabalhadores reivindicam o cumprimento do acordo assinado em Fevereiro, assegurando que os sindicatos por terem conhecimento que as empresas pretendem não cumprir o acordo, decidiram avançar com a greve.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.