A introdução do 13º mês está fora de questão

13/11/2012 00:44 - Modificado em 13/11/2012 00:44

Ainda no início da reunião de concertação social que reúne sindicatos, patronato e governo, o Primeiro-ministro deixa claro que a introdução do 13º mês está fora de questão. Atribui ao “aprofundamento da crise” a principal razão para esta decisão. “Há uma mudança radical da situação sócio-económica no plano internacional com impactos em Cabo Verde, portanto, neste momento é de todo impossível”, assim argumenta José Maria Neves à entrada para a reunião de concertação social.

 

Ainda sem debater esta questão na reunião, pede a compreensão dos cabo-verdianos e fundamenta o seu pedido na “dependência de Cabo Verde da ajuda de vários países que estão em crise”. Assim como pede a compreensão das pessoas, pede também a dos sindicatos afirmando que “ninguém entenderia se neste momento de aprofundamento da crise criássemos o 13º mês”.

O governo senta-se com os sindicatos e o patronato para definir o acordo de concertação estratégica para esta legislatura. E nesta discussão, como adianta o Primeiro-ministro, “trata da problemática dos rendimentos e consequentemente da questão dos salários e do plano de careira e salários que já está em debate e discussão”. Tudo questões relacionadas com o Orçamento do Estado para 2013.

  1. soncent

    diaza um oia que tal era impossivel ma pa atrai e vote gent t fala tud nera e pessoal e dot ex t ba tras d bzot….smp souberam kel tal acto era impossivel entao pra que dizer iriam introduzir o 13º mes….JMN aldrabao da primeira…ja bzot ta bom d sei d puder ….

  2. António Germano Lima

    PENSO QUE OS POLÍTICOS DEVEM TOMAR CONSCIÊNCIA E NÃO FAZER PROMESSAS DE CAMPANHA FÚTEIS! O POVO MERECE MAIS RESPEITO! OU NÃO?

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.