Conselho de Justiça da FCF nega provimento ao protesto interposto pela Académica do Porto Novo contra o Sal Rei da Boavista

26/04/2018 06:47 - Modificado em 26/04/2018 06:47

O Conselho de Justiça da Federação Cabo-verdiana de Futebol indeferiu, nesta quarta-feira, o protesto da Associação Académica do Porto Novo contra o uso irregular do jogador Danine Monteiro por parte da equipa do Sal Rei da Boavista, na primeira jornada da fase de grupos do CN.

Este era, até ao momento, o único jogo do Campeonato Nacional de Futebol que não tinha sido homologado pela FCF porque a Académica do Porto Novo, campeão Regional de Futebol da Zona Sul de Santo Antão, intentou junto do Concelho de Justiça da FCF um processo contra a equipa do Sal Rei da Boavista, referente ao jogo da primeira jornada da fase de grupos do CN, grupo A. A ACPN acusa o Sal Rei de ter utilizado de forma irregular o atleta Danine Monteiro ou simplesmente Dany Rasta, camisola número 6 da equipa boa-vistense e que marcou o único golo frente à “Micá” do Porto Novo, por ter sido expulso na final da Taça da Boavista frente à Académica local.

Ora, perante os factos, a FCF notificou, esta quarta-feira, o Clube do Porto Novo que devido a todas as provas apresentadas e tendo o árbitro do encontro da final da Taça da Boavista ter alegado que a punição deste referido jogador foi excessiva, a FCF não considera que Danine Monteiro esteja “sujeito à pena de suspensão automática de um jogo”, assumindo a entidade máxima do Futebol em Cabo Verde que “assim, estar-se-ia a violar um dos princípios fundamentais da Justiça que é o principio da legalidade”.

Posto tudo isto, o Conselho de Disciplina da Federação Cabo-verdiana de Futebol, nega o provimento apresentado pela “Micá” do Porto Novo contra a equipa da Boavista, pelo que se vai proceder então à homologação desta partida. De realçar que era a única das provas até agora sem ser homologada.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.