Assédio Sexual: “Não fiques  nessa posição que não aguento ter esta visão e não fazer nada”

23/04/2018 23:52 - Modificado em 23/04/2018 23:52
| Comentários fechados em Assédio Sexual: “Não fiques  nessa posição que não aguento ter esta visão e não fazer nada”

Voltamos  aos depoimentos sobre o assédio sexual iniciado na semana passada por este online. São diversas histórias, onde as vitimas  não têm coragem de apresentar queixa, de denunciar ou sequer falar sobre o assunto. Isso porque, muitas vezes deixam de ser as vítimas para serem vistas com desconfiança e terem de enfrentar um calvário para provar que são vitimas

O assédio  pode começar no primeiro dia trabalho, prolongar-se no tempo  e muitas vezes até depois de se demitirem. As pressões, insinuações, agressões emocionais e psicológicas, comentários, afirmações implícitas, explícitas podem ser as mais diversas. Isso porque a pessoa que assedia está apenas interessada em satisfazer os seus interesses e desejos.

“Uma das vezes aconteceu-me durante o período escolar, na universidade com um professor. Um dia estávamos a trabalhar num projecto, viu-me inclinada, a apanhar umas folhas que caíram no chão. Agarrou-me nas ancas enquanto dizia “Não fiques  nessa posição que eu não aguento ver esta visão e não fazer nada”. Uma situação que me deixou bastante envergonhada e constrangida. Inicialmente senti-me culpada por estar naquela posição. Mas depois apercebi-me que não era a culpada, e depois as coisas começaram a piorar. Ele era capaz de estar a escrever e a meio do texto, virava-se para mim e apalpava-me o rabo ou apalpava-me os seios de forma incisiva. “Dá-me uma prova que queres mesmo que este projecto seja o melhor” ou “Eu tenho necessidades que precisam ser satisfeitas e tu precisas da nota”, “se não faço contigo, faço com outra que dá mais importância a ter uma boa nota…”.

Acabei por desistir de trabalhar com ele e fui reprovada nesta cadeira. Contei a uma colega minha e a resposta: “Se fosse comigo aceitaria a proposta porque preciso da nota para passar…. Tens a certeza que não o provocaste e agora, dás uma de leviana”? Quando outra mulher reage assim, imagina como é que a sociedade irá reagir se denunciar sem uma  prova.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.