Economia cabo-verdiana cresceu 3,9% em 2017 e não atinge a meta do governo

4/04/2018 02:25 - Modificado em 4/04/2018 02:25

A economia cabo-verdiana cresceu 3,9% em 2017, ligeiramente acima do ano anterior, mas longe da previsão de 5,5% do Governo, apontam dados preliminares das contas nacionais anuais divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde (INECV).

Segundo os dados do INECV, no acumulado dos quatro trimestres de 2017, o crescimento da economia cabo-verdiana situou-se nos 3,9% do Produto Interno Bruto (PIB), contra os 3,8% registados no ano anterior.

O crescimento do PIB registado pelo INECV aproxima-se das previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), que apontavam para 4%, e do Banco de Cabo Verde, que previu uma evolução da economia no intervalo entre 3% e 4%.

A proposta orçamental do Governo para o mesmo ano estimava um crescimento na ordem dos 5,5%.

O crescimento da economia foi penalizado sobretudo pela quebra de 22% registada no setor agrícola nesse ano (+7,7% em 2016) e impulsionado pelo crescimento de 22,8% (4,9% em 2016) no setor da eletricidade e água, de 15% no alojamento e restauração (4,2% em 2016), de 14,3% (9,7% em 2016) na indústria transformadora e de 8,4% (2,5% em 2016) nos impostos.

O INECV divulgou também as contas do terceiro trimestre de 2017, que revelam um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,7%, menos 0,2 pontos percentuais do que no trimestre anterior (4,9%), mas acima do crescimento de 3,8% registado no trimestre homólogo de 2016.

Nos dois primeiros trimestres de 2017, a economia cabo-verdiana registou crescimentos de 3,1% e 2,9%, respetivamente.

Segundo o INECV, o crescimento do PIB no quarto trimestre resultou essencialmente do aumento do consumo final das famílias (6,9%) e das exportações (17%).

Por setores, a agricultura (-44%) registou “um comportamento negativo”, tendo sido o setor secundário (indústria transformadora, construção e produção de eletricidade e água) o que mais contribuiu para o crescimento do último trimestre do ano.

Cabo Verde atravessa um período de seca severa, com consequências na agricultura e criação de gado, e tem em fase de implementação um programa de mitigação dos efeitos da seca e do mau ano agrícola.

CFF // PJA

Lusa/Fim

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.