Onésimo Silveira : “Não há mais espaço para adiar a regionalização “

21/03/2018 07:09 - Modificado em 21/03/2018 07:26
| Comentários fechados em Onésimo Silveira : “Não há mais espaço para adiar a regionalização “

Num artigo de opinião publicado no jornal ANação , Onésimo Silveira abordando , mais uma vez , a questão da regionalização considera que “a ausência de regionalização é, a um tempo, um défice constitucional, que nos cumpre saldar, e um défice democrático que aflora em todas as nossas incursões, teóricas e práticas, no terreno da democracia.”

Silveira  diz que não há  mais espaço para adiamentos e indiferenças “É chegado, pois, o momento de não mais permitirmos que o espaço desertado pela responsabilidade política venha a ser ocupado pela indiferença partidária, à revelia de uma sociedade civil que se mostra cada vez mais interessada nos problemas da regionalização. Cada um de nós deve, por isso, a si próprio o mínimo de determinação para a solução deste problema, que a todos diz respeito”.

O ex-presidente da Câmara Municipal de São Vicente , e uma das primeiras vozes a pugnar pela regionalização  considera que “A regionalização de Cabo Verde é um problema que tem a idade da nossa Constituição democrática que lhe concedeu algumas linhas e a abandonou à sua sorte até aos dias de hoje, quando o actual Governo decidiu enfrentar a sua solução com coragem e determinação”

Resumindo as suas conclusões  , Silveira defende que “ o nosso país ganharia com a regionalização dividendos internos e alargaria as fronteiras de cooperação com os países da nossa diáspora, na sua grande maioria senhores de uma experiencia sobre regionalização que nos seria certamente benéfica, como fonte de recursos teóricos e experiencia pratica.

A tendência implícita na regionalização para entregar específicos sectores da vida nacional a uma auto-regulação democrática é cada vez mais um imperativo, mas ela encontra naturalmente um limite na supremacia das competências da comunidade estatal de nível superior, pois só esta garante, em ultima instância, a coordenação pacífica das comunidades que são as ilhas. “

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.