Laço Branco Cabo Verde instiga homens a terem uma atitude mais activa na questão da paternidade responsável

20/03/2018 07:16 - Modificado em 20/03/2018 07:16
| Comentários fechados em Laço Branco Cabo Verde instiga homens a terem uma atitude mais activa na questão da paternidade responsável

O Presidente da Rede de Homens pelo Fim da Violência Baseada no Género – Laço Branco Cabo Verde, pediu aos homens uma atitude mais activa na afirmação da paternidade responsável e no compromisso com as mulheres.

Clóvis Silva fez esse pedido em declarações à imprensa, à margem do ateliê de ‘socialização’ da proposta do Plano Estratégico 2018-2020 da rede, realizado esta segunda-feira, Dia do Pai, na Cidade da Praia.

O evento, lembrou, além de assinalar o Dia do Pai, tem ainda como objectivo partilhar as principais ideias de como deve funcionar a ONG (organização não-governamental), pois frisou, tratar-se de um trabalho que todos os associados fazem “por amor à camisa”.

“Neste ateliê vamos apresentar o nosso plano de estratégias para 2018-2020 que inclui acções a nível investigativo e formativo, visto que queremos reforçar a capacidade de intervenção e de condições técnicas do Laço Branco”, disse.

Ainda segundo Clóvis Silva, a intenção da rede é criar e instalar núcleos de membros locais nos 22 municípios do país, bem como sensibilizar e mobilizar meninos e meninas nas causas do Laço Branco.

Por sua vez, o representante do Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade do Género (ICIEG), Adalberto Furtado, congratulou-se com o trabalho que o Laço Branco tem vindo a fazer em prol do género e pela mobilização, a nível do país, de pessoas em prol de uma atitude “menos violenta em relação às mulheres e por estar a ajudar a mudar mentalidades”.

“Por isso, estamos comprometidos com a Rede nos projectos delineados e que visam avançar e transformar as relações entre homens e mulheres, visando uma sociedade mais igual e mais desenvolvida”, afirmou.

Para a representante da ONU Mulheres, Vanilde Furtado, as acções do Laço Branco têm transformado homens cabo-verdianos em relação à sua atitude perante a mulher.

A ONU Mulheres que, neste encontro, tem como propósito a socialização da proposta do Plano Estratégico 2018-2020, ouvir falar de questões sobre a paternidade responsável, assédio contra as mulheres e meninas, conciliação da vida familiar e doméstica, entre outras.

“Por estas e outras, o nosso compromisso é continuar a trabalhar com a organização para que todos possamos dar o nosso contributo nesta matéria e para um mundo melhor”, concluiu.

A Rede Laço Branco Cabo Verde foi criada em 2009 por um grupo de homens, com o propósito de promover a igualdade de género, ajudando assim a combater preconceitos e estereótipos sexistas enraizados na sociedade cabo-verdiana.

Fonte: Inforpress

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.