Assassinato de Tchinha: Jaílson condenado a 22 anos de prisão

6/11/2012 00:10 - Modificado em 6/11/2012 00:11

Jaílson Monteiro foi condenado pelo assassinato de Maria de Lurdes, conhecida por “Tchinha”, ex empregada de Cesária Évora. O juiz aplicou-lhe uma pena de 18 anos por ter causado a morte da vítima, no entanto, Jaílson terá que cumprir uma pena de 22 anos de prisão porque contra ele pesou ainda uma condenação de um crime de roubo e de duas agressões sexuais.

 

O caso da morte de “Tchinha” conheceu o seu desfecho final, com a condenação de Jaílson Monteiro acusado de homicídio agravado por asfixia. O juiz que procedeu ao julgamento do arguido afirmou que o tribunal obteve provas de que Jaílson estrangulou a vítima depois de terem tido relações sexuais.

Por outro lado, os indícios da perícia médica apontaram que a vítima terá sido agredida sexualmente na região do ânus. Tendo a leitura dos factos feita pelo tribunal demonstrado que o indivíduo praticou essa acção, o juiz imputou-lhe a prática de um crime de agressão sexual cumulada à de homicídio agravado por asfixia.

Mas, Jaílson foi ainda considerado responsável pela violação de uma menor na zona da Ribeirinha e de assaltar uma residência em Bela Vista. Feita a comprovação dos crimes através de provas concretas, o magistrado aplicou-lhe uma pena de 22 anos de prisão.

Segundo o juiz, “o arguido demonstra ser uma pessoa perigosa para estar em liberdade. Isto é, para salvaguardar a sociedade, a solução foi executar a medida de segurança viável ao seu caso, ou seja, mandá-lo para a prisão para se evitar a repetição de crimes desta natureza no futuro”.

  1. Absoluto

    Com uma cena dessas bem que deveria pegar os 25 anitos!

  2. ..com muito respeito pela vítima e seus familiares, e também com muito respeito para com os familiares deste acusado, no meu ver, acho que já ultrapassou o “time” de revermos a nossa politica judical e mas concretamente o nosso código penal…. dado o tipo e variedade de crimes que se tem pratica nas nossas comunidades, o que tem estado a intimidar a nossa gente, defendo urgente “a lei da pena de morte”, desculpam o meu radicalismo, certo que não a medida ideial, mas é que precisamos no momento.

  3. Nelson Cardoso

    Parece que há justiça, ainda.

  4. Lopes

    kel desgraçado la merecia pena de morte

  5. silvia rocha

    ka e faze justica kont es te manda um assassino pe cadeia , porke moda um bocod des te dze : um te matob um te ba senta ne ribeirinha te kme de graca. e verdade , es te ba tem vida mansa na cadeia , kont um tava te estuda direito no ba pe um visita de estudo ne cadeia de sao vicente , bsot duvinhame: presos te ergui 5 hora de manha tma cafe 7 hora almoca 11 hora , es tem agua de graca kmida de graca , es tem ate televisao kosa ktcheu cuitod katem , kes amdjer se cela bo te dze e um pensa 5 estre

  6. silvia rocha

    um pensao 5 estrela , agora bsot te otcha ke justica feita ? ja te na hora des cria um pena de morte ne nos terra , kem mata bsot matas tambem , deus ha de me perdoar pa. es te estod emdjor ke nos la ne cadeia uvi , tem tcheu cuitod e kte deta sem kmida es katem cafe ma almoco …se um tivesse poder nossa , nos terra katinha mau kum sabe o ke um tava faze kes

  7. atenta do Paul

    Estou plenamente de acordo com o raciosinio logico de “Di Billa”.Gostei.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.