“Dôs: Diálogos sobre a arte e a vida” 33 diálogos com diferentes perspectivas sobre o panorama cultural nacional

2/02/2018 01:45 - Modificado em 2/02/2018 02:11
| Comentários fechados em “Dôs: Diálogos sobre a arte e a vida” 33 diálogos com diferentes perspectivas sobre o panorama cultural nacional

“O conjunto da obra é um documento interessante para avaliar aquilo que é a importância e a força da cultura cabo-verdiana no panorama atual” João Branco.

São trinta e três conversas, fruto de uma seleção de mais de cem diálogos entre diferentes artistas e de diferentes áreas, como Abraão Vicente, Fonseca Soares, Bau, Arménio Vieira, Caplan Neves, Celina Pereira e outros tantos que compõem as 33 personalidades que fazem parte desta segunda obra de João Branco, “Dôs: Diálogos sobre a arte e a vida”.

Este livro é segundo o seu autor, um documento, uma aposta da editora da Rosa de Porcelana que achou que valeria a pena ser editado, exprime João Branco sobre a obra em que faz um retrato de cada um dos interlocutores, dos seus anseios, ambições e frustrações feitas num diálogo permanente.

João Branco acredita que é preciso haver uma maior interacção entre os atores culturais cabo-verdianos, principalmente entre os das mesmas áreas para que conversem mais sobre os seus processos de criação, inquietação, ambições e frustrações.

Sublinha que uma das razões que o incentivou a escrever a página de um jornal, originalmente as conversas foram publicadas num jornal, que se chamava exactamente Dôs, nome inspirado “num vinil de Vasco Martins e Voginha, onde dialogavam com as suas guitarras”.

Curiosamente, Vasco Martins foi uma das conversas mais extensas do autor, destes diálogos de 2010 e 2011 em que foram escolhidas 33 através de uma selecção, com um equilíbrio entre as diferentes formas de expressão artística e também da distribuição geográfica, com artistas da diáspora e de diferentes ilhas e gerações.

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.