Bairro de “Tchetchénia”: Moradores querem ver regularizada a situação da posse das  suas moradias

25/01/2018 01:08 - Modificado em 25/01/2018 17:30
| Comentários fechados em Bairro de “Tchetchénia”: Moradores querem ver regularizada a situação da posse das  suas moradias

Mais de 30 famílias que moram no bairro de “Tchetchénia” em Ribeirinha, nas casas sociais construídas pela autarquia mindelense na década de noventa, reclamam que a até a esta data não possuem documentação que comprove que as habitações lhes pertencem, conforme foi prometido na época .

As casas estão com problemas de rachaduras, os tectos precisam de obras e muitos não tem possibilidade de efectuarem de remodelação das moradias.

Segundo os moradores, na altura em que receberam as moradias, já vai para mais de vinte anos, durante o mandato de Onésimo Silveira, foi-lhes prometido que após doze de anos a pagarem renda, valor simbólico de mil escudos, a habitação passaria a pertencer-lhes de forma definitiva. Só que não possuem nenhuma documentação que comprova este acordo.

Uma das moradoras que mora no local há 22 anos conta que a casa em que mora está cheia de rachaduras, infiltrações e outros problemas. Segundo ela, o presidente da CMSV esteve no local na altura das eleições para avaliar a situação das rachaduras, mas até agora nada foi resolvido. “Durante os vinte anos que estou aqui com a minha família, já estive na câmara diversas vezes, juntamente com outros moradores para que a autarquia regularize a nossa situação”, diz.

No entanto até esta data ainda estão na mesma, sem nada resolvido. “Na altura assinamos um contrato na Câmara, de pagamento de renda de mil escudos e foi-nos prometido que passados doze anos, a casa era nossa”, mas passado este tempo, alguns moradores ainda continuam a pagar a referida renda e como “as pessoas estavam alegres porque estavam a mudar para uma casa com melhores condições, ninguém exigiu documentação comprovativa” dizem.

Afirmam que estão a espera que autarca mindelense cumpra o prometido e regularize a situação, já que estão numa situação vulnerável e deixam a pergunta: “Então se a câmara decidir tomar as moradias, como é que ficamos?”. Apesar de não acreditarem neste cenário, estão a procura para que a situação seja normalizada.

E questionam ainda se foi apenas uma promessa de campanha, já que também foi feito um levantamento dos danos das casas, mas trabalho que é bom nada. “Muitos de nós não consegue dar manutenção nas moradias porque não temos possibilidades”. E referem aos programas municipais que ajudam na requalificação das moradias e porque nenhum morador, apesar de todas as insistências ainda não foram contemplados.

A degradação das moradias é algo  visível, uns piores que outros, como é o caso de uma moradora de 80 anos, que dorme preocupada todos os dias com medo de algum momento e teto abafe os moradores. “Moramos no primeiro andar e encontramos numa situação perigosa, o tecto está numa situação problemática e já estivemos algumas vezes na câmara, mas nos mandam esperar. E como não temos condições para fazer nenhuma intervenção, a solução é aguardar e esperemos que não seja tarde de mais”.

EC

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.