Homem enfrenta indivíduos que fizeram xixi na parede da sua casa

18/04/2012 01:33 - Modificado em 18/04/2012 01:33

O cidadão, Joaquim Évora, dono da Cafetaria Évora, na Rua São João foi agredido por dois indivíduos. O proprietário da cafetaria quis evitar que estes urinassem à porta da sua residência. Mas os dois homens não gostaram da repreensão e decidiram agredir Évora com uma mordidela no peito e uma pedrada nas costas.

O NN apurou que no sábado, dia 14 por volta das duas horas da madrugada, dois indivíduos agrediram o gerente de uma cafetaria, na Rua São João. Joaquim Évora, proprietário da Cafetaria Évora estava a poucos metros da porta do Café, que funciona no rés-do-chão da sua casa quando apareceram os dois sujeitos que vinham no sentido contrário.

Segundo, Joaquim “estava ao pé do beco que dá acesso a porta da minha casa, quando de repente chegam dois indivíduos para urinar na parede da minha casa. Para evitar essa acção disse-lhes que tinha uma casa de banho no meu café. Mas eles ignoraram o meu apelo e urinaram na parede da minha casa. Na sequência dessa atitude dei-lhes uma reprimenda, porque estavam a violar o código de postura municipal”.

Agressão

Évora diz que “apenas abordei-lhes sobre a questão da saúde pública, mas eles disseram que a rua é pública e cada cidadão faz as suas necessidades fisiológicas onde bem entender. No meio dessa conversa um deles mordeu-me no peito e o outro atirou-me uma pedra nas costas”.

A vítima afirmou que após sofrer as agressões foi empurrado para a calçada. O NN constatou que Joaquim apresenta um hematoma no tórax direito, escoriações nas costas e nas mãos. Por outro lado Évora acrescenta que na sequência da queda apoderou-se de uma pedra e agrediu-o um dos sujeitos com uma pedrada na cabeça.

Acção

Joaquim Évora foi socorrido por algumas pessoas que estavam na cafetaria e que accionaram a PN. A Polícia Nacional deslocou-se a local para inteirar-se da ocorrência. Évora e um dos agressores foram transportados para Hospital Baptista Sousa a fim de receberem tratamento médico.

O NN apurou que a PN fez a identificação dos dois indivíduos e informou a vítima que este deveria mover uma queixa-crime contra os agressores. Questionado se irá intentar uma acção judicial contra os dois sujeitos, Joaquim responde que “estou a cumprir um período de repouso, mas nas próximas horas irei procurar as autoridades judiciais a fim de registar a queixa”.

  1. Mindelense

    Pura inversão de valores da nossa sociedade, falta de educação e de cultura para prática do certo e do bem. Um indivíduo, para além de mijar na parede, depois de ser chamado atenção, ainda se acha no direito de ofender e agredir!!! Isto é o cúmulo dos absurdos. E se fosse a polícia que tivesse chamado atenção primeiro? Eles agrediriam os policiais? Pois, são todos covardes, na presença da polícia comportam-se como “pintainhos”.

    É por isso que, muitas vezes, quando se depara com ação ostensiva da polícia, sem sabermos o porquê, não devemos opinar de tal postura. Se fossem agentes da tropa de choque ou mesmo do BAC eles tentariam agredir???? Nãoooooooo, só agem assim contra pessoas mais fracas, a banditagem é toda covarde.

  2. Kon Fu Se

    Soncent kaba na nada.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.