Santo Antão: Deputados do MpD demarcam-se de “tentativas de atrapalhar” implementação do Plano de Emergência pelos deputados do PAICV

14/01/2018 23:18 - Modificado em 14/01/2018 23:18
| Comentários fechados em Santo Antão: Deputados do MpD demarcam-se de “tentativas de atrapalhar” implementação do Plano de Emergência pelos deputados do PAICV

Os deputados do Movimento para a Democracia (MpD) eleitos por Santo Antão dizem demarcar-se de “tentativas de atrapalhar implementação do Plano de Emergência por parte dos deputados do PAICV”.

“Gostaríamos de enaltecer todo o trabalho desenvolvido pelas delegações do Ministério da Agricultura e Ambiente na implementação do Plano de Emergência” lê-se no texto de uma conferência de imprensa apresentada pelos “deputados ventoinha” por Santo Antão, a que a Inforpress teve acesso.

Segundo os deputados do MpD, “este é o primeiro e único plano devidamente estruturado e organizado, a tempo e horas de servir os nossos agricultores e criadores de gado, no combate ao flagelo da seca e do mau ano agrícola” que, adiantam os parlamentares ventoinha, tem vindo a ter “um forte impacto na criação de emprego na ilha de Santo Antão onde já foram registados 1.045 novos empregos, nos três concelhos”.

Os deputados do MpD dizem que a sua ideia é “esclarecer, de forma cabal, os agricultores e criadores de gado”, nomeadamente, de que “os vales-cheque já estão disponíveis nas delegações do Ministério da Agricultura e Ambiente, de modo a permitir o acesso ao desconto de 20% na compra de ração” e, a título de exemplo, esclarecem que, só no concelho do Porto Novo, “já foram entregues 4.828 vales-cheque a 109 criadores”.

“Os agricultores e criadores de gado em situação mais difícil podem também dirigir-se às delegações do MAA para efectuarem o levantamento dos seus vales-cheque, antecipando a sua distribuição junto das suas localidades” esclarece o documento acrescentando que “a empresa fornecedora já dispõe de ração suficiente para todos os agricultores e criadores de gado”.

Os parlamentares ventoinha, signatários do documento, asseguram que “não há registo de morte de nenhum animal a nível da ilha de Santo Antão” nem da venda de animais a preços abaixo do preço real “apesar dos alaridos e da desinformação dos deputados afectos ao PAICV, em total desespero e desorientação com o sucesso da implementação deste programa”.

Inforpress

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.