É preciso ter lata: O negócio do aluguer e venda de casas de lata

30/10/2012 00:22 - Modificado em 30/10/2012 00:22

A proliferação de casas de tambor em São Vicente cria a oportunidade para pessoas criarem os seus próprios negócios de aluguer deste tipo de moradia. Um negócio que atingiu grande parte dos bairros de lata da cintura do Mindelo.

 

Em várias zonas de São Vicente muitas pessoas vivem em casas de tambor alugadas. Estranho? Insólito ? Nem por isso!

Para Sandra o motivo pelo qual arrendou uma casa de tambor é por estar impossibilitada de pagar a renda numa casa mais adequada, e por isso a solução mais “rentável foi alugar uma casa de tambor”. A renda é o motivo pelo qual Neusa também foi “obrigada” à procurar uma solução “menos cara para viver”. E viveu numa casa alugada com o marido os dois filhos e o irmão, até que construíram sua própria casa.

Em alguns casos a solução é temporária. Enquanto os inquilinos estão construindo sua própria casa. No caso de Luís que enquanto estava construindo sua casa “foi obrigado” a alugar uma casa enquanto terminava a sua. Em outros casos é mesmo por falta de opção e de rendimentos para construir a própria casa. A renda de uma casa de tambor ronda dos dois mil e quinhentos escudos. E quando Neusa fala do preço em comparação com outro tipo de construção, sai em conta “mesmo que não tenha todo o conforto compensa no preço”.

 

Negócio de lata

Na semana passada a Câmara Municipal demoliu várias casas de tambor em diversos locais da zona de Monte Sossego, entre estas casas se encontravam duas de aluguer. Como apuramos as pessoas constroem suas casas de lata para morar, mas por um motivo ou outro acabam por se mudar e alugam as casas. Mas o problema reside no facto dessas casas serem clandestinas. Uma coisa é a CMSV ” fechar” os olhos a casas clandestinas de munícipes que foram para ali morar por que não tiveram outra alternativa. Outra coisa é permitir a existência de uma casa de lata clandestina que é alugada clandestinamente. NN sabe que existem pessoas que se dedicam a construir casas de lata para depois as alugar.

Um negócio que atingiu grande parte dos bairros de lata da cintura do Mindelo. E nos últimos tempos as demolições levadas a cabo pela CMSV tiveram com alvo casas de lata que estavam a ser alugadas.

  1. Só Agora? Isto está acontecendo há muito tempo aqui em S.Vicente. Os Próprios donos
    das casas de lata, não moram nelas. pudera….

  2. A Camara Municipal deverá dar mais atenção a zona da Ribeirinha, visto esta localidade mais concretamente na zona de Lombo curzinha tão falada nas Campanhas pelo actual Presidente de Camara. Esta zona quase que não existe no plano Urbanistico Municipal, não tem estrada que dá acesso as moradias aqui construidas, não tem esgotos, não tem água, os carros não querem passar por esta zona, porque não há caminhos não há nada. Os moradores desta zona principalmente eu estão a reveindicar mais condiçõe

  3. Este Comentário vai no sentido de alertar os Serviços de Saneamento da Câmara Municipal, que nesta zona da Ribeirinha mais concretamente Lombo de Curzinha está invadido de Chiqueiros ao ar livre situado no meio das casas onde entram cheiro desagradáveis para a saúde dos moradores. Nesta zona há crianças que tem problemas de alergia, portanto esta zona está infectada. Chamo atenção das autoridades competentes para pôr cobro a esta situação desagradável. Delegacia de Saúde etc.

  4. mario jorge dias

    ida e beskód.

  5. Gerry Ferreira

    Casas de lata em S.Vicente em regime de arrendamento é uma vergonha para a ilha. Trás de cemiterio então nem se fala. Fruto de imcompetencia e falta de coragem politica de uma Camara sem rumo. Nesta zona a camara vai lá e deixa ficar casas de lata em terreno privado que ele proprio vendeu a cidadãos honestos desta ilha.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.