Governo reage a greve: “O direito da polícia é defender a população”

30/12/2017 19:06 - Modificado em 30/12/2017 19:06

O governo pronunciou sobre a greve sublinhando que cumpriu o que estava escrito no memorando de entendimento com a SINAPOL. O ministro Elísio Freire começou por elogiar a população “pela forma serena e calma durante os dias de greve, dando uma lição de civismo e boa vizinhança”. O elogio estendeu aos polícias que compareceram ao serviço.

Enquanto a greve Freire afirma que “é um direito constitucional, mas também, o é a defesa da vida, da segurança das pessoas, e dos bens, que são direitos constitucionais”. E a polícia tem o direito de “defender a população”.

Para Freire o governo tem dialogado, e vai continuar a faze-lo, e que dialogou até o fim com o sindicato e cumpriu “na integra” o memorando de entendimento. Neste sentido, o Ministro diz “não se percebeu e se percebe ainda hoje, o está por detrás desta greve”.

Sobre a requisição civil adianta que o governo agiu na legalidade, “mas que infelizmente, verificou-se que alguns polícias não cumpriram de forma deliberada, uma violação a lei e um desafio a autoridade”, como interpreta Freire. E avança que o governo vai agir em conformidade legal, e tomar as medidas legais para aqueles que não respeitam a lei.

“Cumpriu tudo o que está no memorando”. E para o ministro não foi os compromissos do memorando que levou a greve. “Reivindicações soltas, e cada dia aparece mais uma. O governo está disponível ao diálogo para defesa do interesse nacional”.

  1. Bento Santos

    Podem estar cientes caros colegas de profissão de que 2017 foi um ano de lutas constantes mas 2018 será um ANO DE VITÓRIAS se Deus quiser. Força e viva o direito à greve.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.