PN defende que assassinato  de nigeriano não deve ser associado à insegurança

27/12/2017 02:18 - Modificado em 27/12/2017 02:18

O homicídio do cidadão de nacionalidade nigeriana na zona de Chã de Alecrim não deve ser considerado como um caso de insegurança, conforme afirma a Polícia Nacional. “Isto porque se trata de um crime isolado entre dois cidadãos da mesma nacionalidade e que não deve ser visto de forma alarmante. O ocorrido aconteceu na sequência de um desentendimento entre os dois que, infelizmente, levou à morte do outro, depois deste ter sido esfaqueado”, alega Evandro Sousa, Subcomissário da PN no Mindelo.

Apesar de se ter posto em fuga após o crime, o alegado autor apresentou-se às autoridades confessando o crime, ficando sob a custódia da Polícia Judiciária, acabando por ser apresentado ao Tribunal para a aplicação da medida de coacção que, neste caso, pode ser a prisão preventiva, tendo em conta a natureza do crime.

No entanto, não se sabe qual a medida de coacção que foi aplicada ao suspeito confesso.

O homicídio de um cidadão nigeriano na sequência de uma briga, na noite de 24 de Dezembro e que marcou o fim-de-semana do Natal em São Vicente, aconteceu perto do Aparthotel Beleza na Laginha.

Por outro lado, à parte as ocorrências e solicitações de chamadas de emergência, a PN não registou mais nenhum crime de natureza grave que possa pôr em causa a segurança da população.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.