Aprovados 2,3 milhões de euros para conclusão de Escola Portuguesa de Cabo Verde

22/12/2017 01:40 - Modificado em 22/12/2017 01:40

O Governo português aprovou uma verba de 2,3 milhões de euros para a construção, em três anos, das infraestruturas necessárias para alargar até ao 12.º ano o ensino na Escola Portuguesa de Cabo Verde, disse à Lusa a diretora.

A informação foi avançada por Suzana Maximiano, na sequência da publicação em Diário da República, na quarta-feira, da portaria que autoriza a disponibilização da verba.

Localizada na cidade da Praia, a Escola Portuguesa de Cabo Verde abriu no ano letivo 2016/2017 com duas turmas do pré-escolar e uma turma do 1.º e 2.º anos do primeiro ciclo, num total de 22 alunos.

Neste ano letivo, frequentam a escola 210 alunos na educação pré-escolar, 1.º, 2.º e 3.º anos do primeiro ciclo.

“Pretendendo-se alargar a frequência da escola a outros níveis e ciclos de ensino, importa garantir a construção faseada, ao longo de três anos, das infraestruturas necessárias a albergar alunos do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico e, ainda, do ensino secundário”, adianta a portaria conjunta dos ministérios das Finanças e Educação.

A portaria estipula por isso, a disponibilização de uma verba de 2.320.000,00 euros, para o alargamento da escola em três fases (2018, 2019 e 2020), o que irá permitir acolher alunos até ao 12.º ano de escolaridade.

Em declarações à agência Lusa, a diretora da escola, Suzana Maximiano, mostrou-se satisfeita com a aprovação da verba, assinalando que se trata da “concretização da promessa feita pelo primeiro-ministro, António Costa, aquando da inauguração”.

“A Escola Portuguesa de Cabo Verde poderá, assim, assegurar aos seus alunos a continuidade curricular, prevendo-se no próximo ano letivo a abertura do 4.º ano de escolaridade, em 2019/2020 iniciar o 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e em 2020/2021 possibilitar o acesso ao ensino secundário”, disse.

Para Suzana Maximiano, com esta medida será possível “completar o projeto já iniciado e dar continuidade ao sonho de décadas, acalentado por portugueses e cabo-verdianos”.

Construída em tempo recorde, a Escola Portuguesa de Cabo Verde, arrancou com as aulas a 14 de novembro do ano passado, num edifício praticamente na estrutura, sem água e sem eletricidade.

Foi oficialmente inaugurada em fevereiro pelo primeiro-ministro português, António Costa, no âmbito da sua deslocação a Cabo Verde para a quarta cimeira bilateral entre os dois países, com a primeira fase do projeto concluída e a funcionar em pleno.

Atualmente, está em construção o pavilhão polidesportivo, que irá permitir aos alunos ter aulas de educação física num espaço próprio.

 

Lusa

 

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.